sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

O MUNDO VAI ACABAR?

Na INTERNET, na TV ou até mesmo numa rodinha de bar, não há outra assunto em pauta; todos estão falando do vaticínio do final do mundo conforme uma interpretação do calendário Maia. Segundo tal interpretação do calendário Maia, o mundo (ou o ciclo histórico humano), chegará ao fim no dia 21 de dezembro de 2013. Desde quando esta notícia começou a circular pela mídia, muitas reações foram manifestas. A Rede Globo de televisão por exemplo, embarcou na onda e exibiu em tom satírico a mini-série “Como aproveitar o fim do mundo”, outros ao contrário, de forma muito séria, venderam suas propriedades e se afugentaram nas montanhas armazenando comida  para sobreviverem a possível aniquilação. O fato é que esta história toda de fim dos tempos foi uma grande jogada de marketing da grande mídia para viabilizar a venda de livros e materiais referentes ao tema e para render pautas em programas apelativos da TV. Seria uma grande insensatez acreditar na provável profecia Maia de que o mundo acabará nesta sexta-feira. Dezenas de previsões como esta já foram feitas no decorre da história humana. No ano de 1999 o mundo todo viveu um frisson com o vaticínio da catástrofe terráquea pelo alquimista ruim de data, Nostradamus. Nenhuma previsão humana é capaz de acertar a data do fim do mundo. A Bíblia fala sobre o final dos tempos, mas não estipula datas. O próprio Jesus disse que ninguém sabe a hora a não ser o Pai. A única coisa que a Bíblia explicita em relação a este assunto são os sinais da vinda de Cristo que findará a presente era. Sendo assim é uma grande besteira levar a sério anúncios catastróficos como o dos maias. Nessa sexta-feira o que vai terminar para mim é esta palhaçada que não tem tamanho e a qual eu não aguento mais ouvir por todos os cantos. Aproveite a sexta-feira, curta um happy hour, pois o mundo não vai acabar! Siga o Cristo crucificado!

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

O DISCURSO INFERNAL DE ROB BELL

No último domingo (25/11), a revista VEJA publicou como matéria de capa a entrevista concedida por Rob Bell, pastor da Mars Hill Bible Church no Estados Unidos. Rob Bell é um nome muito conhecido no cenário evangélico mundial. Ficou conhecido no Brasil através dos seus vídeos muito bem produzidos que figuram no Youtube e também por seus livros. No ano passado, lançou o seu último livro entitulado "O amor vence", no qual revela a sua crença no Universalismo (doutrina segunda a qual todos serão salvos no final). Li a entrevista de Rob Bell nas paginas amarelas da VEJA e não gostei nenhum pouco do que li. O tema da entrevista foi "Quem falou de céu e inferno? ". Dentre as muitas bobagens ditas por Rob Bell, a maior foi a de que não podemos saber da existência de céu ou inferno, pois não temos vídeo e nem fotografia. Se levarmos este argumento a sério, também podemos concluir que Jesus não morreu crucificado e que o Espírito Santo não fora derramado sobre os discípulos no dia de pentecostes, pois não temos vídeo ou fotografia que comprovem tais fatos. Rob Bell é mais um dos grandes líderes cristãos da atualidade que se renderam a toda sorte de vento de doutrina que sopra contra o povo de Deus.  Bell, se esquece que o amor só existe onde existe liberdade. O Universalismo que ele prega, tolhe a liberdade dos seres humanos em escolher o amor de Deus ou o distanciamento deste amor. Para que o Universalismo seja a melhor história (visão aceita por ele), a liberdade humana teria de ser anulada. A minha "bronca" com Rob Bell não se baseia em sua compreensão teológica sobre alguns aspectos bíblicos, mas contra o seu humanismo angustiante, travestido de graça e amor. Oro para que Rob Bell volte a verdadeira trilha do amor. Oro também para que a trilha do verdadeiro amor (que, a meu ver, requer compromisso e escolha), seja anunciada de forma pura, sem a contaminação de nenhuma filosofia humana ou teologia antropocêntrica. Siga o Cristo Crucificado!

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

DESCOBRI QUE NÃO SOU CRISTÃO!

Domingo, dia 18 de novembro de 2012. Nessa data tive uma das maiores percepções de toda a minha vida. Neste dia, que deveria ser um dia normal, cheguei a conclusão de que a pesar de todo o meu envolvimento com Deus, com a Bíblia, com a Igreja e com todo o discurso religioso, não sou cristão. Não sou cristão, não porque desacredite de Jesus Cristo e de seu evangelho, mas simplesmente porque não vivo a altura do evangelho. Muitas vezes minto, em muitas ocasiões sou incrédulo e deixo de amar o meu próximo com muita facilidade. Não sou digno de ser chamado cristão, pois tenho certeza de que Jesus se envergonha de mim muitas vezes. A percepção que tive no último domingo, dia 18, causou um verdadeiro frisson dentro de mim. Reavaliei a minha vida e ao fazê-lo, fiz a oração do pecador arrependido. A primeira vez que fiz esta oração, foi quando me entreguei a Jesus e ao seu evangelho,  a uns nove anos atrás. A experiência de descobrir que não se é ou que se está longe de ser àquilo que nos convencemos de que somos, é libertadora. Tenho certeza que a partir desta descoberta não sou mais o mesmo. O fato de saber que sou qualquer outra coisa, menos cristão, me levou a desenfreadamente buscar ser cristão. Quero viver a altura do evangelho de Jesus Cristo, encarnando o amor, a graça e a verdade dEle em mim. Para me tornar cristão preciso deixar de ser Cristão. Peciso deixar de me apegar nas muletas da religiosidade e da teologia cristãs. Preciso deixar de lado as convenções cristãs que me enganam dizendo que sou cristão por aquilo que eu faço. Para ser cristão tenho apenas que amar um homem; o Deus-homem  Jesus Cristo. Nada mais, nada menos. Para me tornar cristão, tenho que ser simples. Só isso. Tenho que andar com Cristo e como ele andou. Estou lutando para ser cristão, pois descobri que não o sou. Siga o Cristo Crucificado!

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

PRA QUEM NAMORA OU É SOLTEIRO, ESTE VÍDEO É SENSACIONAL!


6 CONSELHOS AOS SOLTEIROS...






Escrever este texto para mim é uma tarefa muito encorajadora, pois a seguir darei seis conselhos de sobrevivência para os jovens solteiros de plantão. Daqui alguns dias completarei 1 ano e 3 meses de namoro, após um período de um ano de solteirice. Sei muito bem e por experiência própria, quais são as benesses e as dificuldades do universo dos solteiros. Antes de tudo gostaria de deixar bem claro que existem dois tipos de solteiros; aqueles que o são por vontade própria e aqueles o são por vontade alheia. Há uma grande diferença entre ambos, mas em determinadas situações as semelhanças superam as diferenças. Ser solteiro muitas vezes é desconfortável. É muito ruim desejar ir ao cinema e não ter com quem ir. É inconveniente ficar de "vela" numa rodinha de casais. Mais chato ainda é quando um grande amigo nosso abandona a vida de solteiro e nos deixa presos neste universo paralelo. Estou dizendo tudo isso como um preâmbulo para deixar os meus conselhos aos solteiros. Gostaria de dar alguns conselhos, e dizer que tais conselhos são baseados na Bíblia Sagrada e também nas minhas próprias experiências. Em primeiro lugar, todo solteiro precisa entender que a solteirice não é uma estado da alma, mas apenas uma circunstância da vida. Não é o fim do mundo estar solteiro! Meu primeiro conselho para os solteiros é este: aproveite a sua solteirice para servir a Deus e estreitar os seus laços de amizades. Esteja com os seus amigos; divirta-se e aproveite ao máximo cada oportunidade. Sirva a Deus com todas as suas forças e se aprofunde no seu relacionamento com Ele. Eis o meu segundo conselho: ore a Deus todos os dias pedindo-lhe um cônjuge do jeitinho que você deseja. Destaque para Deus as qualidades que você mais aprecia numa pessoa e a forma com a qual você deseja ser tratado (a); desnude seu coração para Deus e não tenha vergonha de pedir, pois você está pedindo algo correto aos olhos de dEle. Terceiro conselho: não estabeleça padrões irreais em relação aos seus pretendentes. Seja coerente. Não exija uma pessoa super inteligente, se você  não é "fã" dos estudos. Não espere por alguém super "desencanado", se você é ciumento (a), ao extremo. Não reivindique um Rodrigo Santoro ou uma Gisele Bundchen, se você está mais para Marilia Gabriela ou para Carlito Tevez. Tenha bom senso e não estabeleça padrões inalcançáveis. Quarto conselho: saiba mostrar o seu "borogodó" na hora certa e para a pessoa certa. O que mais vejo no meu dia-a-dia, são jovens que pouco a pouco vão se "queimando", pois "atiram" para todos os lados. Se você é um rapaz, não elogie todas as meninas; guarde os seus elogios para uma só. Se você é uma moça, não dê "moral" para todos os rapazes; faça isso apenas para um em especial. Digo isso pois é verdadeiro o ditado: "Laranja madura em beira de estrada ou está podre ou estragada". As pessoas desconfiam de pessoas muito "dadas"! Quinto conselho para os solteiros: abra bem os olhos, pois a pessoa da sua vida pode estar ao seu lado. A mulher da sua vida ou o homem da sua vida pode estar bem do seu ladinho. Talvez seja aquela amiga para quem você não dá muita atenção ou aquele amigo que serve mais como um divã para você. As melhores pessoas para estarem ao nosso lado são aquelas que nos conhecem bem e que estão familiarizadas com as nossas qualidades, defeitos e dores. Sexto e último conselho: converse bastante com futuros pretendentes. Conversar não é pecado. Converse muito, pois através de boas conversas você poderá descartar algumas possibilidades e prosseguir com outras. Dentro disso, só quero deixar uma ressalva; não prometa nada nessas conversas. Não diga nada que você não possa cumprir. Seja apenas amigo (a)! Esses são os conselhos simples mas eficazes que deixo para os solteiros. Leve à risca cada um desses seis conselhos e quem sabe você deixará a vida de solteiro ou simplesmente poderá ter uma solteirice maravilhosa. Siga o Cristo crucificado!

terça-feira, 6 de novembro de 2012

QUEM AMA, ESPERA

Por que esperar até o casamento para transar com a minha namorada? Esta é a pergunta feita por todos os jovens cristãos e sinceros em sua fé. Devemos esperar, por duas razões principais. A primeira razão é porque a Bíblia condena toda prática sexual fora do contexto do matrimônio. A segunda razão pela  qual  devemos esperar, é que não esperar é pecar contra Deus, contra si mesmo e contra o outro. Sexo é o apice do prazer humano, e foi criado por Deus para que o desfrutemos no casamento.Casais de namorados que transam antes do casamento vivem culpados, tristes e apáticos em relação um ao outro. A prática sexual traz frieza, sentimentos de possessividade e desrespeito mútuo. Sem contar que casais de namorados que praticam o sexo no período do namoro, normalmente enfrentam sérios problemas no casamento. Problemas de ordem emocional e sexual. Eu escolhi esperar até o casamento. Sei que não será fácil, pois enfrentarei dificuldades e tentações. Mas sei que quem ama, espera. Eu amo ao meu Senhor e amo a minha namorada. Tomei a decisão de esperar. Faça isso também e tenha certeza que Deus abençoará o seu namoro e o seu futuro casamento. Siga o Cristo crucificado!

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

OUVI FALAR DE FLORES





"Ouvi falar de flores
Flores que nascem, perfumam e morrem
Você é a flor que perfumou aquilo que em mim era morte.

Ouvi falar de flores
Flores que lindos jardins enfeitam
Jardins que outrora secos, hoje férteis vicejam.

Ouvi falar de flores
Flores imortais que brilhos possuem.

Ouvi falar de flores
Flores lindas carmesim
Camila Ribeiro, você sempre será uma flor a crescer dentro de mim".




Poema de minha autoria, dedicado a minha namorada Camila Ribeiro.

sábado, 6 de outubro de 2012

"NA BOA", NÃO VENHA COM MORALISMO PARA O MEU LADO...


Existe uma grande diferença entre moralidade e moralismo. Moralidade é a capacidade raciocinada que temos para julgar o que é certo e o que é errado, o que é bom e o que é mau, o que é justo e o que é injusto e o que é nobre e o que é vil. Já o moralismo é a atitude extrema de banalizar essa capacidade de julgar, orientando as nossas ações de fora para dentro. Uma pessoa moralista é caracterizada pela excessiva preocupação com a reação dos “outros”, com a interpretação que os “outros” farão e com a forma como os “outros” irão pensar. Quanto mais moralista uma pessoa é, menos moral ela tem. Particularmente estou de “saco cheio” de gente moralista. Elas sempre estão vendo maldade em tudo a sua volta, com a desculpa de estarem pré-ocupadas com o que os outros irão pensar… Pode parecer acidez de minha parte, mas quero dizer que se eu estiver aprovado por Deus em minhas atitudes, não estou nem aí para o que os outros irão pensar! Seja moral, mas nunca moralista! Abaixo o moralismo de qualquer espécie! Siga o Cristo crucificado!

DEUS PEGOU NO MEU BILAU...


Sabia que Deus pegou no bilau? Assista e saiba o porquê!!! Siga o Cristo crucificado!

HOMENAGEM A MINHA NAMORADA CAMILA!


Deus é um Deus que ouve oração? Esta pergunta é feita constantemente, e a resposta dela está nas Escrituras Sagradas. De fato a Bíblia diz que Deus ouve o clamor que sobe da terra, e em muitos casos responde as orações dos homens. Durante muito tempo na minha vida clamei a Deus a respeito de uma faceta muito importante. Pedia a Deus que me preparasse uma pessoa segundo a sua vontade para estar comigo e ser minha companheira e amiga. Tive um relacinamento que perdurou alguns anos, mas que com o tempo provou não ser a verdadeira resposta de Deus ao meu antigo clamor. Após esse episódio, cheguei as raias de acreditar em meu coração que Deus não tinha dado a miníma atenção ao meu clamor e as oraçãos que eu havia feito. Há alguns meses, comecei a orar de novo por tal faceta de minha vida. Confesso que sem àquela empolgação e confiança do passado, mas crendo no caráter de Deus. Pedia em minhas novas orações, dentre outras coisas, que Deus me surpreendesse de verdade. Em meio ao processo dessas orações, sem perceber, Deus começara a me surpreender. Conheci uma garota (a mais especial que já vi em toda a minha vida), e de forma natural fui me apaixonando pelo seu jeito e pelo seu caráter. Com passar dos dias, ao passo em que eu a conhecia melhor, pude ver nela, qualidades as quais pedia a Deus em minhas antigas orações. Não podia imaginar que Camila Ribeiro era a resposta de Deus as minhas antigas e novas orações. Deus havia mandado o seu presente para mim e ele chegara no momento certo! Hoje estou namorando com a Camilinha e o que eu posso dizer é que ela é a resposta de Deus as minhas orações. Deus me presenteou além do que eu merecia, pois me deu uma namorada linda por dentro e por fora, responsável e cheia de caráter. A cada dia que passa o meu amor por esta garota cresce e se solidifica mais. Estar com o “meu presente” é bom de mais. É um sonho realizado, uma alegria sem fim… a festa do meu coração. Camilinha, eu amo você e quero que todo mundo saiba disto! Termino com o meu poema preferido, que porventura é do meu poeta predileto, Carlos Drummond de Andrade:
Memória
Amar o perdido
deixa confundido
este coração.

Nada pode o olvido
contra o sem sentido
apelo do Não.

As coisas tangíveis
tornam-se insensíveis
à palma da mão

Mas as coisas findas
muito mais que lindas,
essas ficarão.

Camilinha, as coisas findas (o que você representa para mim e o que eu represento para você), muito mais que lindas (as coisas que achavamos que precisavamos), essas ficarão. Siga o Cristo crucificado!

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

DEUS ESTÁ NO CONTROLE MESMO?




Esses dias comecei a ler sobre uma vertente teológica relativamente nova em nosso país, o movimento do “Teísmo Aberto”, também conhecido como "Teologia Relacional" ou Teologia do Processo". Segundo os teólogos do “Teísmo Aberto”, Deus só pode conhecer o que de fato existe, portanto, como o futuro não existe, Deus não pode conhecê-lo. Segundo esses teólogos, o futuro está em aberto, o que impossibilita Deus de ter controle sobre o futuro. Ao ler os argumentos e analisar o ponto de vista dos proponentes de tal movimento, minha mente e o meu coração aceitaram de forma mais apaixonada e convicta a realidade de que Deus, segundo as Escrituras Sagradas, é um Deus Soberano, ou seja, ele cuida de cada detalhe de nossas vidas e contempla o passado, presente e futuro, da perspectiva de alguém que numa arquibancada enxerga o bloco de carnaval passar, tendo acesso a todos os ângulos. Baseado principalmente nas Escrituras e secundariamente em minhas experiências pessoais, sou levado a crer que Deus é Soberano, Onisciente (sabe todas as coisas), Onipresente (está em todos os lugares ao mesmo tempo), Onipotente (tem todo o poder) e Onividente (vê tudo em todo lugar). Este é o Deus que eu sirvo. Um Deus que sempre levanta a plaquinha: “Eu já sabia!”. Viver com um Deus assim, nos tranquiliza e nos acalma, pois ele está no controle mesmo quando não sentimos. Termino com a frase de Agostinho de Hipona, que endossa a Soberania de Deus. Ele disse: “Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, até mesmo os seus pecados”. Siga o Cristo Crucificado!

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

NAMORO: MUITA CALMA NESSA HORA!


Por que jovens grandemente usados por Deus, o abandonam, voltando assim a viver vidas vazias e medíocres? Essa é uma pergunta motivada pela experiência. Estou envolvido no trabalho com jovens a quase 11 anos, desde que me converti ao Cristianismo. Nesses anos de envolvimento tenho visto jovens serem transformados nos seus hábitos e estilos de vida, através do evangelho de Cristo. Infelizmente também tenho presenciado muitos desses mesmos jovens abandonarem a fé, e em alguns poucos casos, apenas se esfriarem nela. Diante de casos como esses é consequente a pergunta por quê? Por que isso acontece? O que muda a mente desses jovens tão rapidamente? Sempre fiz essas perguntas. Mergulhando na Bíblia e na experiência, encontrei a resposta. Em 99,9% dos casos de abandono de práticas da fé e esfriamento espiritual, a causa principal é o envolvimento afetivo desses jovens com outros jovens não cristãos, ou seja, uma união de cosmovisões incompatíveis (a luz com as trevas). A Bíblia claramente adverte os cristãos, na segunda carta aos Coríntios a  não se envolverem com descrentes por meio de compromissos pactuais: “Não se ponham em jugo desigual com descrentes. Pois o que têm em comum a justiça e a maldade? Ou que comunhão pode ter a luz com as trevas? Que harmonia entre Cristo e Belial (demônios)? Que acordo há entre o templo de Deus e os ídolos? Pois somos santuário do Deus vivo. Como disse Deus: “Habitarei com eles e entre eles andarei; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo”. (2° Coríntios 6.14-16). O namoro é um compromisso pactual, onde duas pessoas de sexos opostos se responsabilizam mutuamente a prestar contas de suas vidas e a amarem-se, preparando-se assim (segundo a concepção cristã), para um compromisso infindável e maior, que é o casamento. Para o cristão, o envolvimento com um descrente através de um namoro, é o princípio do esfriamento espiritual. É triste ver muitos jovens destruindo suas vidas por não obedecerem a essa verdade da Palavra de Deus. O que na maioria das vezes leva esses jovens a procurar descrentes para uma relação de namoro é a impaciência. Impaciência em esperar a pessoa e o tempo certo para se iniciar um namoro. Na minha igreja, muitos me procuram em busca de aconselhamento. Em muitos casos sei que não é o momento adequado para que tais jovens iniciem um namoro. Digo isso a eles, mas frequentemente não entendem. Agem pelo impulso emocional que comumente os engana, e então começam a namorar, sem entender que todo namoro precisa de um contexto ideal para dar certo. O contexto ideal para o sucesso de qualquer namoro, envolve pessoa e momento certos. Desfrutar do momento certo é estar emocional e espiritualmente preparado para entrar numa relação séria como o namoro. A pessoa certa é aquela que compartilha da mesma fé e com quem se tem grande afinidade e sentimentos de atração. Respeitar o momento certo tem a ver com a atitude de esperar no Senhor. Eu mesmo (após a minha conversão) esperei para iniciar um namoro durante um período de cinco anos. Durante esse tempo surgiram varias oportunidades de eu começar a namorar, mas em todas elas não havia o contexto certo. Esperar cinco anos não foi nenhum pouco fácil para mim. Minhas emoções foram confundidas muitas vezes. Chorei diante do Senhor em muitas ocasiões. Mas, me apeguei na promessa de Deus de que se eu esperasse, ele saciaria os desejos do meu coração. Tive um primeiro relacionamento que perdurou alguns anos, mas que mostrou-se não ser a vontade de Deus para a minha vida. Após isso, conheci uma linda garota, chamada Camila. Hoje, eu e a Camila estamos muito felizes na presença de Deus. A Camila é a concretização da minha espera e de minhas orações a Deus. É muito bom ter alguém como ela do meu lado. Posso dizer para todos os jovens que estão tristes e impacientes por essa área afetiva, que vale a pena esperar no Senhor.  O meu período de espera não foi moldado só por tristezas e sentimentos de solidão. Muito pelo o contrário, foi uma das épocas mais alegres e produtivas de minha vida. Firmei fortes e verdadeiras amizades que permanecem até hoje e também realizei muitas coisas para Deus, amadurecendo nEle. Deus não falha; ele saciará os desejo do seu coração. Espere no Senhor Jesus Cristo aceitando o período de espera como disciplina dEle para a sua vida. Ele se preocupa muito com essa particularidade da sua vida, tanto que preparou um contexto certo para você começar a namorar. Siga o Cristo crucificado!

NAMORO É DOCE?

Umas das minhas tarefas como líder de jovens de uma igreja local, é ouvir e aconselhar jovens. De todos os assuntos pelos os quais a maioria dos jovens me procuram nenhum supera o namoro. Alguns querem começar a namorar, outros querem terminar o namoro e outros não querem enfrentar as responsabilidades naturais de um namoro. Todas as vezes que saio de um encontro com alguns desses jovens, me pergunto se realmente eles sabem o que é namorar. Para a maioria dos jovens de hoje em dia, namorar é igual comer doce. Alguns namoros são mais açucarados, outros menos. Mas no final, todos são como a experiência de comer um doce: uma delícia que dura pouco.  Os namoros de hoje em dia não são como os de antigamente. Antigamente os namoros eram sérios. Os jovens faziam pactos de relacionamento e se preparavam para o casamento. A maioria dos namoros davam certo. Infelizmente, hoje em dia os jovens não entendem o propósito do namoro. Namoram somente quando querem dar um passo a frente em suas relações escondidas. Namoro, segundo o ponto de vista dessa geração, é uma forma contraditória de experimentar um compromisso sem responsabilidades. Eles querem namorar, mas sem ter de ligar e dar satisfação. Querem desfrutar do namoro sem ter de respeitar limites e regras. Esse tipo de namoro, como disse a pouco, é como a experiência de comer um bom doce que faz bem para o paladar, mas que acaba rápido. Namoro é doce? Namoro para mim, vai além do comparativo de comer um doce. Namoro é antes de tudo, uma aliança. Uma aliança espiritual entre duas pessoas de sexos opostos. Pessoas que pretendem se conhecer e estender esse conhecimento mútuo para as fronteiras do casamento. Tenho experimentado isso em minha vida. Já namorei alguns anos antes de me casar. No meu namoro com a minha atual esposa,  aprendi a amá-la. Também aprendi que mais prazeroso que dar beijos e abraços nela, era contribuir para o crescimento de outros jovens, juntamente com ela. Namoro é compromisso, mas também é liberdade. Compromisso com o outro e liberdade em ser quem sou. Namorar é muito bom, mas é preciso de muito cuidado, pois pode estragar. Namoros que dão certo são namoros voltados para os outros; que incluem as pessoas, os amigos, os pais e principalmente Deus. Você precisa entender que namoro não é doce. Namoro é muito melhor que doce. É uma espécie de pizza de chocolate: doce, mas com o poder de sustentar. Para você que namora ou que pretende namorar, vai a dica: não fique só no doce, valorize aquele que pode sustentar qualquer relação: Jesus Cristo. Siga o Cristo crucificado!

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

PALAVRA HUMILHADA!


Nesta semana me deparei com um livro, chamado "A Palavra Humilhada". O autor desta obra foi o teólogo francês, Jacques Ellul. Fiquei muito surpreendido com mensagem do livro, pois o livro foi escrito em 1981 e já naquela época Ellul, enxergara o andamento das relações humanas em dias atuais. A premissa básica de "A Palavra humilhada" é que o verbo, a palavra seria humilhada em dias hodiernos. Vivemos numa época chamada de pós-moderna. Na pós-modernidade tanto o Verbo de Deus quanto o verbo linguístico são humilhados. Hoje em dia ninguém valoriza a Palavra viva de Deus, muito menos as narrativas. Uma imagem vale mais do que mil palavras, já dizia o adágio popular. De fato a palavra fora humilhada e substituida por mil imagens. Como cristãos, precisamos valorizar a palavra. Tanto a Palavra viva de Deus; Jesus Cristo, quanto a palavra linguística. A partir de agora, meça as suas palavras. Que seja o seu sim, sim e o seu não, não, pois o que passa disto vem do maligno. Leia a Palavra viva de Deus e se humilhe para que a Palavra de Deus seja exaltada! Siga o Cristo crucificado!

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

TENTAÇÃO: BICHO DE 7 CABEÇAS?

Se há uma coisa chata e terrível com a qual todos os dias temos que lidar em nossa caminhada cristã, essa coisa chama-se tentação. Ser tentado é desconfortável e gera uma dor excruciante, pois sempre quando somos tentados, chegamos a um ponto de tensão. Ou decidimos ceder a tentação e experimentar um misto de prazer e culpa ou então negamos a tentação e experimentamos dor e satisfação. Toda tentação na verdade é um teste. Um teste que vem de dentro de nós mesmos. A Bíblia diz na carta de Tiago, irmão de Jesus, que quando formos tentados não devemos culpar a Deus, pois Deus a ninguém tenta e não pode ser tentado pelo Mal. Tiago também nos diz que a tentação é de origem humana, porque vem de nosso próprio mal desejo que nos arrasta e nos seduz, levando-nos a cometer o pecado que sempre traz morte. Por essa razão é difícil lutar contra ela. Em todo processo de tentação há a atuação de alguns agentes externos. Deus, o diabo, a carne e o mundo sempre atuam nesse processo. Deus age sondando os nossos corações sem interferências, sempre respeitando a nossa escolha. O diabo age interferindo, soprando argumentos convincentes em nossa mente, como uma moça que fica tagarelando ao ouvido de seu namorado quando deseja alguma coisa. A carne, o nosso próprio mau desejo, é o que a Bíblia chama de a própria inimizade contra Deus. O mundo são as coisas externas que nos cercam e que potencializam o apetite desse mau desejo. Como disse C.S Lewis, o autor de “As crônicas de Nárnia”: “ Não existe campo neutro no Universo. Cada polegada, cada milésimo de segundo é reivindicado por Deus e por Satanás”. A tentação nos dá sempre a chance de dizermos sim para Deus e não para o diabo ou então o contrário. Através da minha caminhada com Deus, entendo a tentação como algo que forja um ser maduro em Deus. Quando passamos por tentações e as negamos, adquirimos um pouco mais de maturidade espiritual. Não é fácil resistir a qualquer tipo de tentação. Há fases na minha vida em que eu experimento muitas tentações e há outras em que parece que elas desapareceram. Creio que com você é assim também. Há momentos em que somos incessantemente atacados pelos nossos próprios maus desejos. É como se estivéssemos encurralados numa parede e houvesse um monte de gente jogando pedras em nossa direção. Jesus Cristo nos deu uma grande receita para resistirmos as tentações. Ele disse que devemos vigiar e orar para não cairmos em tentação. Esse é o grande segredo para resistir as tentações. Precisamos vigiar antes de tudo. Vigiar a nossa conduta, as insinuações do mundo (p. ex. mulheres ou homens se exibindo para você), os nossos constantes pensamentos, e os nossos pontos fracos. E, então após isso, temos de orar a Deus. Falar abertamente com ele sobre a nossa conduta, sobre as insinuações projetadas sobre nós, sobre os nossos pensamentos, pontos fracos e assim por diante. Essa é a única forma de lidar com as tentações. Se você esta sendo tentado e esta a ponto de ceder a esse desejo, lembre-se que resistir nos faz amadurecer em Deus. Lembre-se também, que Deus sempre nos dá um escape para qualquer tentação. Enxergue toda tentação como uma batalha espiritual em relação a sua vida. Deus é como aquele pai que vê e deixa seu filho abrir a geladeira que está cheia de doces e guloseimas, mas que espera que seu filho não se empanturre com esses alimentos. O diabo é como um surfista que pega a onda dos maus desejos de seu coração. E você é aquele que pode ser vitima ou algoz desse processo chamado tentação. Decida: ceder a tentação e dar um ponto ao diabo ou negar a tentação e adquirir maturidade em Deus. Siga ao Cristo crucificado!

BÍBLIA: ASSUNTO DO CORAÇÃO!

Lembro-me como se fosse hoje o dia em que ganhei a minha primeira Bíblia. Eu tinha dez anos de idade e foi no dia do meu aniversário. Quem me presenteou foi a minha mãe. Nunca me esquecerei daquela pequena Bíblia de capa preta, e também do momento em que a peguei nas mãos. Foi a partir daquela experiência que eu comecei a me familiarizar com esse livro que é o  mais enigmático e estigmatizado da história. A Bíblia (transliteração do termo grego “βίβλια” que significa: livros ou escritos) sem sombras de dúvidas é o livro mais discutido e estudado dos quais se têm notícias. As bases da civilização ocidental foram lançadas segundo os princípios ético-morais encontrados nas páginas da Bíblia Sagrada. Durante muitos séculos foram muitos os que tentaram neutralizar o seu poder transformador, como o imperador romano Dioclesiano, que no século IV ordenou que todos os seus exemplares fossem queimados. A Bíblia tem sido alvo de ataques dos mais diversos. Alguns teológos se ocuparam em sistematizar correntes de pensamentos que questionam a confiabilidade e veracidade dos relatos bíblicos. Segundo tais movimentos teológicos, a Bíblia é apenas literatura e por isso deve ser despida de toda abordagem sobenaturalista.  No século XVIII, o grande pensador francês Voltaire,  havia afirmado que dentro de um período de cem anos a Bíblia se tornaria um livro esquecido. Hoje a sua casa é ocupada pela Sociedade Bíblica de Genebra e a Bíblia é o livro mais vendido do mundo.  No século passado, mais precisamente no ano de 1981 a Academia Francesa de Ciências apresentou 51 “fatos” que supostamente refutavam a fidedignidade da Bíblia. Hoje nenhum desses “fatos” podem ser sustentados segundo o método crítico histórico-literário. A Bíblia passou por esses e por muitos outros ataques e ainda hoje continua sendo amada, apreciada e respeitada por milhões de pessoas em todo o mundo. A sua força e o seu poder de fascinação, encontram-se no cerne de sua mensagem. Diferentemente de qualquer outro compêndio bibliográfico, a Bíblia possui uma mensagem homogênea: de Gênesis à Apocalipse (do primeiro ao último livro da Bíblia) o enfoque é o amor de Deus pelo ser humano corrompido. Falar sobre a Bíblia, para mim é assunto do coração, pois foi através desse livro que eu espiritualmente me encontrei com Deus. Hoje sei quem sou, pois sei quem Deus é. Só pude conhecer a Deus por meio da leitura e meditação da Bíblia. Eu creio que a Bíblia é aquilo que a Teologia Cristã Ortodoxa a define: Palavra Inspirada por Deus ("theopneustos": soprada por Deus). Não pretendo através deste texto, provar a fidedignidade da Bíblia. Na verdade essa nunca foi a proposta dos autores bíblicos, tampouco a dos primeiros cristãos. A proposta da Bíblia é comunicar o amor que Deus tem pelo ser humano. Deus ama você! Você só poderá conhecer esse amor e suas implicações, por meio da leitura desse livro. Se você tem sede de um amor maior para a sua vida, tome a decisão de estudar a Bíblia. Faça isso com uma mentalidade aberta; livre ao livre-pensamento. Questione, compare e critique os relatos bíblicos. Use todas as ferramentas da crítica literária; mas faça isso com o desejo de encontrar a verdade.  A Bíblia tem o poder de agir como um espelho da alma; quanto mais a lemos e refletimos com seriedade sobre seus princípios, mais enxergamos e descobrimos quem realmente somos. Leia a Bíblia e abra o coração para a sua mensagem. Faça isso enquanto é possível! Siga o Cristo crucificado!

A MACONHA NO BANCO DOS RÉUS

No dia 15 de junho de 2011, a grande mídia noticiou a decisão do Supremo Tribunal Federal em liberar as marchas a favor da descriminalização do uso da maconha. Esse ato, segundo alguns cientistas sociais e militantes do movimento pró-legalização da maconha, foi o primeiro passo em direção a legalização da livre comercialização da maconha em nosso país. A legalização da cannabis tem sido alvo de debates a muitos anos no Brasil. A grande maioria dos políticos e intelectuais de nossa nação são favoráveis a aprovação de leis que visem a legalização do uso da maconha. Segundo os defensores dessa posição a venda e consumo da maconha não devem incorrer em crime. O debate sobre a legalização do uso da maconha ganhou força, quando o ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, se pronunciou favorável a descriminalização da erva. Após essa atitude de Fernando Henrique Cardoso, muitos formadores de opinião que estavam “em cima do muro” começaram a se manifestar pró-legalização. O assunto foi tão longe, que acabou alcançando os nichos religiosos. A igreja Católica já se pronunciou contra a legalização. No meio evangélico alguns a defendem. Sob a ótica de tais líderes evangélicos, devemos nos render a novas alternativas sociais. Alguns desses líderes evangélicos, sustentam o discurso de que, como a maconha é uma substância natural, não pode causar graves danos aos seus usuários e que por isso, o seu uso deve ser aceito legalmente. Esses últimos se esquecem que substâncias como veneno de cobra e cicuta também são naturais. Ninguém, em sã consciência, beberia tais substâncias pelo fato de serem elas naturais. Quando me deparo com posições políticas como essas, me pergunto sobre o lado prático disso tudo. Idealísticamente, até entendo que a legalização do uso das drogas, sobretudo da maconha, seria a melhor alternativa para a nossa sociedade. Reduziria a marginalidade e consequentemente descongestionaria o sistema penitenciário. Mas, se de fato isso acontecesse, como se tornaria a nossa sociedade? Quando penso em todas as implicações disto, me vem a mente um quadro de terror.  Imagine como ficariam as ruas de nossas cidades? Poderia você passear tranquilamente com sua esposa e filhos? E as relações familiares, melhorariam ou se tornariam mais doentias? Tente imaginar como seriam as festas e datas comemorativas. Quantas crianças e jovens seriam iniciadas ao implacável vício das drogas em datas como essas? O número de homicídios aumentaria ou diminuiria? As agressões físicas seriam uma constante? Os casos de estupro e pedofilia aumentariam? Não consigo imaginar uma sociedade em paz com a livre comercialização da maconha. Argumentos políticos convincentes, não promovem a verdadeira paz. Como a Polis lida com coisas referentes ao dia-a-dia, a legalização da maconha seria uma ação politicamente contraproducente.Sou contra a legalização da maconha, assim como de qualquer outra droga, por fortes convicções políticas e espirituais. Nenhuma substância alucinógena com efeitos viciantes pode prestar algum tipo de serviço à sociedade. Na verdade, substâncias assim, apenas causam celeuma na sociedade. Já vi pessoas fumarem maconha e ficarem tranqüilas, mas vi também, amigos meus acenderem um cigarrinho de maconha e nunca mais serem os mesmos. A proposta de legalização do livre uso e consumo da maconha precisa ser colocada no banco dos réus. A sociedade, e principalmente os formadores de opinião de nossa nação, precisam agir com imparcialidade, pesando na balança as implicações práticas da dessa proposta. Socialmente falando, legalizar a comercialização da maconha seria como dar um tiro no próprio pé. Sou contra a legalização da maconha, porque sou a favor da paz. O tradicional cachinbinho da paz não traz paz nenhuma. Sei, que se por um acaso, alguém do movimento pró-legalização ou alguma pessoa defensora da descriminalização, ler esse texto, me chamará de alienado e burro. Prefiro ser taxado disso, a ter de defender uma proposta sócio-política que se configura como desserviço a sociedade. Ser a favor da legalização da maconha é uma postura democrática e extremamente racional. Não me oponho as intenções políticas desse argumento. Ao contrário, me oponho, a aprovação de toda e qualquer lei que tenha uma ação social contraproducente, ou seja, que trabalhe contra a própria sociedade. Abaixo a legalização da maconha! Siga o Cristo Crucificado

SUPER-CRÍTICOS, TOMEM ESSA!

Há tempos que a igreja evangélica brasileira está corrompida. Isso não é novidade para ninguém, como bem o sabemos. Ver a igreja evangélica brasileira nesta situação me entristece, mas a postura de alguns irmãos em relação a essa mesma igreja, me entristece e me preocupa muito mais. Infelizmente a atitude de alguns irmãos evangélicos para com a igreja, tem sido de puro criticismo e arrogância espiritual. É comum presenciar situações onde pastores e modelos litúrgicos são ridicularizados sem nenhum pudor. Nas redes sociais da INTERNET, também encontramos esses críticos destilando o seu veneno de amargura contra a igreja. Na maioria das vezes essas criticas são feitas apenas com o desejo de desconstruir a igreja, sem um compromisso prático em reconstrui-la. Não sou a favor da censura aos críticos religiosos. Creio que a crítica construtiva é vital para o crescimento e amadurecimento de qualquer instituição humana. Também entendo que a igreja evangélica brasileira é uma das poucas instituições da sociedade que critica sem fazer  auto-crítica. Precisamos criticar e denunciar as injustiças que ocorrem no nosso meio, mas essa atitude deve ser precedida pelo o amor e pelo o compromisso com a igreja, que é o corpo vivo de Cristo aqui na terra. Eu sou cristão por causa da igreja. Amo a igreja, mesmo com toda corrupção que existe dentro dela. Me considero um “igrejeiro” de carteirinha. As melhores lembranças que tenho da minha infância e adolescência vieram da igreja. Foi na igreja que aprendi a falar em público. Foi nela que fiz os meus melhores amigos. Encontrei a minha namorada lá. As maiores frustrações que tive na vida, ocorreram na igreja. As maiores realizações também. Por isso quando vejo ou ouço alguma critica destrutiva sobre a igreja, a minha reação é de tristeza. Respeito aqueles que gritam contra a igreja, estando dentro dela. Aqueles que gritam contra a igreja estando fora dela, a meu ver são anarquistas espirituais. Criticam as atuais estruturas eclesiásticas sem propor alternativas melhores para substituí-las. A igreja não precisa de pessoas assim. Ela precisa de pessoas que a ame e que façam auto-critica, comprometidos com a ação. Chega de anarquistas espirituais travestidos de irmãozinhos- feridos- pela- a- igreja. Que o amor e a paixão pela noiva de Cristo sejam acesos mais uma vez em nossos corações.  Siga o Cristo crucificado!

FELIZ ANIVERSÁRIO PRA MIM!

Amanhã, eu completei 26 anos de idade. Fazer aniversário sempre é bom, pois pelo o menos em um dia específico nos tornamos o centro das atenções. Hoje, eu refleti muito sobre a minha vida e sobre o que eu posso oferecer para Deus. Cheguei a conclusão de que estou no caminho certo, fazendo o que Deus realmente quer que eu faça neste mundo. Não existe sensação melhor do que esta. Nas minhas reflexões deste dia, viajei na “batatinha total”. De repente me vi com 20 anos a mais. Comecei a imaginar as coisas que eu haverei de realizar, nas pessoas sobre as quais eu haverei de exercer um impacto positivo… Nesta viajem, meu coração encheu-se de alegria e de ânimo para continuar. O meu maior presente neste dia em que celebro o meu aniversário, são os amigos que fiz no decorrer da caminhada. Agradeço a Deus por ser um jovem verdadeiramente realizado e feliz! Siga o Cristo crucificado!

quinta-feira, 31 de maio de 2012

CÉLULAS: VERDADEIRA REVOLUÇÃO!

O mundo  já passou por muitas revoluções.  A maior revolução da história humana não foi a dos comunistas cheguevarianos, muito menos as dos hippies em Woodstock. A maior revolução da história da humanidade foi a empreendida pelos primeiros cristãos no inicio do século I. Eles viviam juntos, vendiam as suas propriedades e bens e as repartiam com todos, de modo que ninguém no meio deles passava por necessidades. Aqueles primeiros cristãos eram pessoas simples. Todas as semanas se reuniam em suas PRÓPRIAS CASAS, e nelas expressavam o amor que tinham uns pelos outros. Foi através daquelas simples comunidades cristãs que se reuniam NAS CASAS  que a boa notícia de Jesus Cristo se espalhou pelo mundo antigo. Passados alguns séculos daquela grande revolução, os homens com sua religiosidade e pretensões políticas corrompidas, numa tentativa de trancafiar a maravilhosa mensagem de liberdade, que é o evangelho de Jesus Cristo, criaram os templos cristãos, afastando da mensagem cristã todo o potencial revolucionário que lhe é próprio. De lá para cá, o Cristianismo se tornou uma religião fria e extática, onde apenas um grupo seleto de pessoas (os ministros ordenados), poderiam servir Cristo às pessoas. O evangelho vivido nesses moldes perdeu o seu caráter revolucionário. Levando em conta este cenário lamentável no qual a fé cristã se emoldurou, foi que o Espírito Santo de Deus começou a soprar uma renovação em sua Igreja, por meio do movimento cristão nas casas. Hoje, milhares de cristãos se reúnem periodicamente em casas, para dessa forma compartilharem a mensagem de verdadeira revolução que é o evangelho de Jesus Cristo. A igreja da qual eu faço parte (Igreja Batista Betesda) é uma igreja em células (nome que damos as grupos que se reúnem nas casas). A nossa visão é ter uma célula em cada casa, rua, bairro e vila de nossa cidade. O meu sonho é ver milhares de jovens conhecendo a Jesus através da igreja que se reúne nas casas. Milhares de jovens apaixonados por Jesus exercendo liderança e cuidando das feridas de outros jovens. Essa será a verdadeira revolução em nossa cidade e país. Só o evangelho pode realizar essa mudança. Os grupos que se reúnem nas casas (células) são instrumentos de Deus no estabelecimento dessa revolução que já está acontecendo no mundo. Junte-se a nós. Faça parte de uma célula e espalhe a mensagem de salvação em Jesus, pelo mundo afora. Siga o Cristo crucificado!

quinta-feira, 24 de maio de 2012

SEJA UM JESUS FREAK!


Tenho 26 anos de idade. Em todos esses anos de existência, tenho percebido uma coisa: ninguém neste mundo é normal. Todo mundo é "meio louco"! Há pessoas loucas por toda parte. As lojas dos Shoppings Centers de nosso país estão lotadas de mulheres loucas por sapatos. As bocas de fumo dos bairros pobres, estão cheias de jovens loucos por drogas. Por toda parte há gente louca, fazendo loucuras. Há algum tempo, ouvi que jovens na Rússia ateavam fogo sobre si mesmos e após isso lançavam-se num lago frio. Faziam isso repetidamente, vez após vez. Essa era a loucura deles. Eu não sei qual é a sua loucura, mas tenho certeza de que a maior loucura da vida é seguir a Jesus. Eu me tornei um louco por Jesus nove anos atrás. De lá pra cá, a minha loucura tem sido Jesus. Penso em Jesus a todo momento, canto músicas para ele e falo com ele toda hora. Me divirto muito em fazer loucuras para ele. Já interrompi a programação ao vivo de uma rádio conhecida e falei de Jesus. Impedi um homicídio ao falar de Jesus para um traficante numa festa. A pouco tempo fiquei 3 dias e 3 noites sem dormir só a base de energéticos, para executar um evento de jovens, no qual Jesus seria apresentado. Essas são algumas das loucuras que tenho feito por Jesus. E, você? Tem feito loucuras por Jesus? E mais: Jesus é a sua loucura ou você tem outra loucura? Saiba de uma coisa: só podemos mudar esse mundo "amalucado" sendo loucos por Jesus. A loucura de Deus é mais sabia que a sabedoria deste mundo. Siga o Cristo crucificado!

quinta-feira, 26 de abril de 2012

8 ANOS DE BETESDA: UM LADO DA HISTÓRIA...





Nunca me esquecerei da primeira vez em que me reuni com o grupo que fora o embrião daquilo que seria a Igreja Batista Betesda. Foi no ano de 2004, na casa de Neide e Neno, um dos casais fundadores da Betesda. A reunião fora realizada num domingo de manhã. Eu fui de acompanhante de Ricardo Capler, que na época ainda era seminarista da Igreja Batista do Parque Piracicaba. Após essa reunião o Espírito de Deus começou a guiar aquele pequeno grupo de pessoas (umas 10 no máximo). O Primeiro passo que deram foi a decisão de convidar o então seminarista da Igreja Batista do Parque Piracicaba, Ricardo Capler, para líderá-los. O segundo passo dado foi deixarem de ser um ponto de pregação para se tornarem uma congregação da Igreja Batista do Parque Piracicaba. O culto de inauguração fora marcante. Realizado no primeiro salão da história da Betesda (salão esse marcado pela infra-estrutura precária, com pés de mamonas  por toda parte e blocos de tijolos prestes a despencar sobre a cabeça dos frequentadores). Após esse culto de inauguração, a Betesda começou a sua empreitada espiritual num contexto social cheio de desafios e contrariedades. Ricardo Capler, de seminarista passara a ser pastor ordenado da Igreja Batista Betesda. Cheio de sonhos e projetos esse jovem pastor com sua também jovem esposa Eloane, iniciou o árduo processo de implantar uma visão eclesiástica naquela pequena comunidade. O sonho do jovem pastor era liderar uma comunidade formada por grupos que se reunissem nas casas (células), onde a comunhão e o cuidado fossem a sua marca distintiva. Com essa visão e propósito foi que a Igreja Batista Betesda nasceu. No ano de 2006, a Betesda passou por um processo de emancipação; tornara-se perante a Convenção Batista Brasileira (CBB), uma comunidade autônoma. Como era de se esperar, junto com a maturidade e a independência, vieram também os primeiros grandes desafios. O primeiro deles foi a mudança de salão. Aquele pequeno grupo inicial de pouco mais de 10 pessoas, crescera para 60 pessoas. Era necessário um lugar que comportasse mais gente para a realização dos cultos. Em 2007 a Betesda foi para o salão "azul", ainda nas instâncias do bairro Vila Industrial. Ali, aquela pequena comunidade, experimentou um grande crescimento espiritual e numérico. Os cultos de domingo a noite já não comportavam mais pessoas. Diante daquela situação era necessário alguma decisão. Em vistas de sanar essa necessidade, foi que o pastor Ricardo Capler, tomou uma decisão arrojada e inovadora. A igreja Batista passaria a realizar os seus cultos de domingo à noite numa escola do bairro. Foram três meses de reuniões na escola "Benedito de Andrade" no bairro Mario Dedine. Nessa época a igreja crescera como nunca. Tornou-se mais unida, mais compacta. Passados três meses, mais uma medida de urgência fora tomada. A igreja passaria a se reunir desta vez numa creche no mesmo bairro. Foram mais seis meses de mudanças e muito trabalho. Após esse período a Igreja Batista Betesda se instalou no seu atual salão de cultos na avenida Luis Ralph Benatti, no Vila Industrial. Muitas coisas aconteceram neste período da história da Betesda. Muitas pessoas se achegaram, outras se perderam e ainda muitas outras regressaram. Mudanças ocorreram. A última das mudanças da Betesda, foi para o Clube Atlético Piracicabano. Mudança essa que tem dado o que falar...  Neste final de semana a Betesda completará 8 anos como comunidade autônoma. Confesso que foi nessa comunidade que eu aprendi a viver o evangelho. Foi na Betesda que eu preguei o meu primeiro sermão. Foi ela que me enviou para o seminário teológico. Na Betesda eu aprendi a abrir o coração e entendi o valor dos relacionamentos interpessoais. Amo essa igreja! Nela estou investindo os melhores anos da minha vida. Agradeço a Deus pela vida de Ricardo Capler, pastor sênior da Betesda. Nesses anos todos pude presenciar o seu amor e dedicação por essa comunidade. Deus honra a vida  e o ministério de homens submissos a sua vontade. Creio que ele tem feito isso com Ricardo Capler. Parabéns Igreja Batista Betesda! Siga o Cristo crucificado!

DEIXE DEUS SER DEUS!

No ano de 1981,  Harold Kushner, um jovem rabino norte americano, motivado pela trágica notícia de que seu filho Aaron de apenas 3 anos de idade, morreria de uma doença rara, escreveu o polêmico livro "Quando coisas  ruins acontecem a pessoas boas". O livro causou um "frisson" nos círculos teológicos de todo o mundo, pois sua argumentação principal, é a figura de um Deus que não tem o controle do futuro e que sofre quando coisas ruins acontecem a pessoas boas. Li o livro de kushner; me comovi com a sua argumentação, mas não concordei com a interpretação teológica que ela faz  de Deus em relação ao sofrimento. O Deus de Harold Kushner, é um Deus bom, gracioso, mas limitado. Ele pode fazer previsões do futuro, mas não pode controlá-lo. Quando pensamos na figura divina como essa formulada por Harold Kushner, nos sentimos amados, porém não nos sentimos seguros e protegidos. Um Deus que não sabe o porquê das coisas, não serve para nada. Deus não é um ser limitado que não consegue discernir a razão de coisas ruins acontecerem a pessoas boas. Deus sabe e está no controle de situações trágicas. Ouvir tal declaração, soa como sadismo quando estamos experimentando sofrimento e dor. Como dizer isso para uma mãe que recebe a sórdida notícia de que seu marido estuprara a sua filhinha de apenas um ano de idade? Como pode Deus estar no controle, quando se descobre que se está com um tumor maligno em estado avançado? Nessas horas o Deus limitado do rabino Harold Kushner faz sentido. Um Deus soberano que deixa coisas ruins acontecerem a pessoas boas, é um Deus sádico e terrorista. Essa é a nossa tendência natural de pensarmos e de nos posicionarmos diante do sofrimento. Queremos explicar a soberania de Deus. Não aceitamos um Deus que permite tais coisas acontecerem. Quando nos voltamos para a Bíblia, encontramos um Deus misericordioso, que chora com os que choram, mas que está no controle de todas as situações. Um Deus que não dormita, ao qual nada passa despercebido. Esse Deus está revelado na pessoa de Jesus Cristo. Quando lemos os evangelhos, podemos sondar o Deus que criou o universo. Jesus, o Deus-homem, é a face humana de Deus. A Bíblia relata que no tempo em que Jesus viveu entre nós, coisas ruins aconteceram a pessoas boas. No evangelho de Lucas, capítulo 13, Jesus menciona uma tragédia que havia acontecido em seus dias. Uma torre (A torre de Siloé) caíra sobre dezoito pessoas boas e religiosas, levando-as a morte. Jesus termina o seu discurso dizendo que essas dezoito pessoas eram inocentes; comunicando assim,  que coisas ruins acontecem a pessoas boas, mesmo Deus estando no controle do universo. A única solução para todos nós em meio ao sofrimento é abrir o coração e deixar Deus ser Deus. É tolice e engano, formular um Deus que se adeque as nossas racionalizações e emoções. Deus está no controle, como um capitão que direciona um navio sob grande tormenta. Pode parecer que ele está dormindo, não importando que morramos, quando na verdade ele está ouvindo tudo, no controle da situação. Deixe Deus ser Deus. Aceite o sofrimento como uma experiência natural da vida. Siga o Cristo crucificado!

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

SÉRIE: "A VIDA MACHUCA, DEUS CURA"

Admita, algumas vezes a vida machuca e somos aprisionados por hábitos difíceis de serem abandonados. Se você está lidando com a dor (e quem não está?), incluindo vicíos, distúrbios alimentares, abuso, pornografia, drogas, bebidas, separação, traição e etc., então A VIDA MACHUCA, DEUS CURA, é para VOCÊ! A série é um programa especial de 8 passos, tais como os 12 passos dos Alcoólicos Anônimos,  e basea-se  nas bem-aventuranças de JESUS. A VIDA MACHUCA, DEUS CURA, terá estréia no  dia 03 de março e será realizada aos sábados na IGREJA BATISTA BETESDA, com inicío sempre as 19h30. Participe e deixe DEUS curar o seu coração! Siga o Cristo crucificado!

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

SAIA DA ESPIRIATOSFERA!

Umas das coisas que menos suporto na vida, são pessoas super-espirituais. Pessoas super-espirituais, são aquelas pessoas que tentam passar um “ar” de espiritualidade que não condiz com a realidade. Você conhece alguém assim? Bom, eu conheço muitas figuras como essas. Normalmente essas pessoas ficam contando suas experiências espirituais exagerando-as ao máximo. Para essas pessoas, a fronteira entre sagrado e profano ainda não foi rompida. Se você estiver diante de alguém assim e disser que gosta de ouvir "Guns N' Roses" ou que gosta de jogar “sinuca”, você será desprezado sutilmente através de um olhar atravessado. Estar diante desse tipo de gente é desagradável. Eu particularmente não consigo me conectar numa conversa se estou perto de um super-espiritual. Super-espirituais “espiritualóides” não ajudam em nada. Na verdade eles só atrapalham. Falam de uma espiritualidade que não vivem. A igreja está cheia deles. É fácil você encontrá-los lá. Eles estão sempre em busca de um novo pecado cometido, em vistas de subjugar e humilhar o pecador. A linguagem deles é regada de clichês e chavões “gospeis”. Para eles, o culto tem de ser uma benção; não pode ser “da hora”.  Você pode se tornar um "varão" de Deus, mas nunca um “cara” de Deus. Oração, é só aquela feita de joelhos e com os olhos fechados; sentado e com os olhos abertos, jamais. O problema desses irmãos “espiritualóides” é que eles não vivem na Estratosfera. Eles vivem na evangélica “Espiriatosfera” (a esfera onde tudo é arregimentado para o sagrado em detrimento do profano). Irmãos super-espirituais, Jesus Cristo rompeu a fronteira entre o sagrado e profano, de modo que tudo hoje é sagrado! Vocês não precisam encher de religião morta aquilo que se tornou sagrado para Deus. Tudo é espiritual! Tudo é sagrado! Saiam da “Espiriatosfera” e caiam na real. O mundo é mundo. Pecado não é estar no mundo mas, sim ter o mundo no coração. Sejam felizes, sorriam mais. Aprendam a apreciar o que há de bom na humanidade e em suas produções. Deixem a carranca de lado e assumam uma postura de alegria e excitação pela vida. Lembrem-se do que o discípulo João disse a respeito de Jesus: “Nele estava a vida, e esta era a luz dos homens” (Jo.1.3). Viva na esfera onde a vida é a fonte reguladora de toda ação e experiência. Siga o Cristo crucificado!

TROCAMOS O CÉU POR UM "I POD"?

É impossível falar de verdadeira fé cristã sem se falar na existência do céu. A ênfase das páginas do Novo Testamento,é a vida eterna; o paraíso; a nova Jerusalém. A crença na existência do céu é o que tem capacitado milhões e milhões de cristãos no decorrer da história, a sofrerem em nome de Cristo.  Os nossos antepassados cristãos não só acreditavam no céu como também o aspiravam. Para se ter uma idéia de como o céu estava presente na liturgia dos antigos cristãos, folheie os antigos hinários cristãos. Noventa por cento dos hinos de antigamente, tinham o céu como enredo. Os tempos passaram e as ênfases mudaram nos círculos cristãos. Hoje valoriza-se muito o domínio terreno. Até os anos de 1990 era comum ver automóveis com adesivos contendo a frase “ Maranata” (Vem, Senhor). Já nos nossos dias a fraseologia é outra. O que está em pauta é que “O Brasil pertence ao Senhor Jesus”. Queremos dominar, imperar, comandar, triunfar... Não queremos mais o céu. Trocamos o céu pelo o carro do ano, pela TV de plasma, pelo “I Pod” e por tantas outras produções humanas que acalentam transitoriamente o nosso anseio sobrenatural pela eternidade. Não pensamos mais no céu, mas inconcientemente o desejamos como nunca antes. Essa é a tampa do quebra-cabeça das desilusões humanas: a busca desenfreada e inconsciente pelo céu. Nas madrugadas frias de São Paulo, pode-se encontrar pessoas procurando o céu em cachimbos de crack e em restaurantes caros. A busca pelo céu está em todos os lugares. Está nos jovens que vão todos os finais de semana na balada. Está no religioso que observa critérios legalistas todos os domingos numa igreja evangélica, no marido que trai a esposa. O anseio pelo céu está nas artes, nos esportes, no amor e  em tudo o que é humanamente belo. Precisamos voltar as raízes cristãs e desejar o céu conscientemente. Deus colocou o céu em nossos corações como está escrito em Eclesiastes (3.11). A nossa vivência cotidiana, é uma vivência a procura do céu. Como disse Leonardo da Vinci: “Uma vez que você tenha experimentado voar, você andará pela terra com seus olhos voltados para o céu, pois lá você esteve e para lá você desejará voltar”.  O céu é uma realidade espiritual. Deseje-o com uma consciência sadia. Siga o Cristo crucificado!

sábado, 7 de janeiro de 2012

VIVA O CEARENSE!

Lembro-me como se fosse hoje a primeira vez em que o vi. Foi na festa de casamento de sua irmã Nubia. Lá estava sorridentemente servindo as mesas, um jovem que posteriormente impactaria muitas vidas através de sua transformação. Esse jovem era o Claudio Pires (também conhecido como Dinho), o primeiro missionário a sair da Igreja Batista Betesda. Naquela época, Dinho ainda era um rapaz problemático que tentava abandonar o vício das drogas que tanto o afligia. Passados alguns meses após aquela festa de casamento, Dinho já não era mais o mesmo. Havia tomado a maior decisão da existência de um ser humano: entregara o controle de sua vida a Jesus Cristo. O período de sua transformação foi algo muito rápido. Em poucos meses, Dinho havia abandonado o vício da cocaína e do álcool. Mas ainda faltava um gigante a ser derrotado: o vício do cigarro.  Muitas foram as noites de oração e de lágrimas. Em muitos momentos pensou em desistir. Até que num dia especial, preparado por Deus, Dinho recebeu a libertação de tal vício. Deus o libertou numa reunião de célula, enquanto abria o coração expondo a sua dificuldade para os outros irmãos. Após esse evento, Dinho entrou num processo de crescimento notado por todos. A cada dia Deus o usava com mais autoridade e poder. Jovens viciados em drogas o procuravam atrás de direcionamento e orientação. Dinho se tornara um padrão a ser seguido por todos. No ano de 2008, através de um direcionamento de Deus, teve a sua primeira experiência missionária ao lado do casal de missionários Mateus e Mariana Borba (líderes do Projeto Toque). Aquele foi um tempo de testes e ajustes em seu caráter. No ano seguinte (em 2009), Dinho tomou uma das decisões mais arriscadas e cheias de fé de sua vida: abandonou sua estabilidade financeira e se matriculou na Escola de Missões “Missão Track 1.8”. Foram mais de quatro meses de um trabalhar profundo de Deus em sua vida. Foi lá na “Missão Track 1.8” que Deus plantou em seu coração o sonho de começar um projeto missionário que auxiliaria crianças carentes com o intuito de os impedirem de entrarem no mundo das drogas. Em 2010 Dinho iniciou o Projeto Compaixão. Hoje o projeto auxilia mais de 50 crianças numa das regiões mais carentes da cidade de Piracicaba. Dinho passou a ser chamado de “tio Dinho”. Todos o respeitam e o enxergam como um referencial para as sua vidas. Dinho é um exemplo de superação e também um caráter cristão a ser seguido. Só para lembrar a todos, hoje (07 de janeiro) é o dia do seu aniversário e a cerimônia de seu noivado com a Andréia. Esse com certeza é só início da segunda parte da história que Deus está escrevendo em sua vida.  Viva o cearense! Siga o Cristo crucificado!

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

KARINE: GURIA DE RESPONSA!




Ontem à noite, tive o privilégio de participar de uma celebre despedida. Foi a despedida da Karine, uma jovem natural de Florianópolis, que durante os últimos seis meses abrilhantou os nossos dias aqui na Betesda. A Karine voltou para a sua cidade natal para realizar o sonho de toda “guria” de sua idade: se casar.  Todos nós ficamos felizes pelo andamento de sua vida. Ontem, enquanto nos despedíamos dela, inevitavelmente comecei a refletir sobre o tempo em que ela esteve entre nós. Nos poucos meses em que esteve por aqui, Karine foi um exemplo para todos os jovens, demonstrando um estilo de vida contracultural. Confesso que fiquei surpreso por saber que ainda há moças comprometidas e apaixonadas pelas coisas de Deus. Em todas as nossas ações, a Karine estava lá presente. Sempre decidida, bem humorada e principalmente desejosa em servir a Deus. Nas poucas conversas que tive com Karine, pude perceber o segredo de sua dedicação a Cristo. Todas as vezes em que ela falava sobre a sua transformação de vida, remetia sempre ao sacrifício de Jesus por sua vida. Pude entender que a decisão de abandonar tudo por Jesus, era o fator preponderante de seu estilo de vida. Karine marcou época, apesar do pouco tempo em que nos serviu. Tornou-se um modelo a ser seguido não só por todas as jovens de nossa igreja, mas também por todos aqueles que aqui a conheceram fora dos “portões da igreja”. Como líder de jovens de uma igreja local, oro para que Deus levante muitas Karines em nosso meio. Oro também para que Deus a abençoe lá em Floripa ou onde quer que ela vá. Karine, muito obrigado por nos ensinar que ainda vale a pena acreditar! Siga o Cristo Crucificado

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

QUE VENHA 2012!

O ano virou e enfim estou aqui em 2012, são e salvo.  O ano que passou foi um ano muito surpreendente em todos os sentidos. A meu ver, foi o ano das mudanças. Mudanças geográficas, sociais, intelectívas e relacionais. 2011 foi o ano em que eu fui para São Paulo realizar o meu sonho de estudar Teologia. Foi o ano em que sofri desequilíbrios emocionais devido ao termino de um relacionamento afetivo. Foi em 2011 que eu aprendi o quanto é difícil dividir o mesmo teto com pessoas diferentes, de outras culturas e valores. Em 2011 sofri, cresci e amadureci como em nenhum outro ano de minha vida. Aprendi o valor das verdadeiras amizades. Posso dizer que o nosso grande poeta Olavo Bilaque estava certíssimo quando disse que “Saudade é a presença dos ausentes”. pois senti muita saudade dos meus amigos nos momentos mais sombrios e tristes, mesmo sabendo que eles estavam presentes. 2011 foi um ano inesquecível para mim. Não posso me esquecer das provas de fé que enfrentei neste ano. A cada semana a garantia financeira vinha de Deus. Ele foi fiel! Não me faltou nada. Em nenhuma dessas situações me atemorizei; em todas elas confiei no Senhor. Entro em 2012 com a certeza de que enfrentarei outras provas de fé, outros desequilíbrios emocionais, outras mudanças, mas com a convicção de que por essas experiências me tornarei mais semelhante a Jesus. Que venha 2012 e seus desafios! Siga o Cristo crucificado!

domingo, 1 de janeiro de 2012

COMO SE FAZ UM NOVO ANO?


Quando se entra num novo ano muitas metas, planos e alvos são traçados e também muitas expectativas são nutridas. Então começamos o ano de “vento em popa”, tomando decisões as mais variadas. Iniciamos aquele "regimizinho", passamos a fazer exercícios físicos, estabelecemos votos perante Deus e as pessoas. Em nossa ingenuidade pensamos que isso é o suficiente para se fazer um ano verdadeiramente novo. O que acontece é que na grande maioria das vezes paramos no meio desse processo de decisões. Começamos a postergar as nossas prioridades dando ênfase as urgências da vida, e então aquilo que era para ser inédito, torna-se velho e maçante. Eu não sei como é que foi o seu ano de 2011, mas quero lhe dizer que esse ano pode ser diferente. Genuinamente, pode ser um novo ano em sua vida! O fator determinante para essa mudança não são apenas as suas atitudes em relação as suas decisões cotidianas, mas a sua atitude em relação a“grande decisão” da vida. Quando digo grande decisão, estou me referindo a decisão que você irá tomar a respeito de sua vida espiritual. Esta é a grande decisão que pode mudar o curso e a qualidade de 2012 em sua vida. Você precisa decidir se convidará Jesus Cristo para liderar a sua vida neste ano ou se não o convidará para isso. Começar 2012 traçando metas e tomando decisões se faz necessário, mas não é determinante para fazer deste ano um ano verdadeiramente novo. Somente Jesus Cristo pode trazer novidade a sua vida. Ele faz nova todas as coisas porque ele é a própria vida jorrando sobre todo aquele que o convidar.  Com a liderança de Jesus em sua vida, 2012 será um novo ano. Decida-se a respeito dessa grande decisão. Convide Jesus e você encontrará força e motivação maiores para alcançar as suas metas e planos para esse novo ano que se inicia. Deixar a liderança de sua vida nas mãos de Jesus é a única forma de fazer de 2012 um ano marcante e singular. Siga o Cristo Crucificado!
Seu Blog · Design por Alves Alvin · Todos os direitos reservados - Copyright © 2014 · Tecnologia do Blogger