sábado, 12 de novembro de 2011

ESTÃO BRINCANDO DE FERNANDO GABEIRA E JOSÉ DIRCEU?

No inicio deste mês de novembro, um grupo de aproximadamente duzentos alunos da Universidade de São Paulo (USP) se levantaram em protesto na Cidade Universitária, contra a presença da policia militar e a desocupação do prédio da reitoria da universidade. Essa ação reivindicatória dos alunos da USP gerou outras ações que viraram alvo da mídia. Grande parte dos alunos da USP são contrários  a esse protesto que tem gerado muito calor e pouca luz. Os que defendem essa ação reivindicatória a favor da saída dos policiais militares da Cidade Universitária, alegam que a presença da policia militar não inibe o tráfico, ao contrário, só tolhe a liberdade de expressão dos alunos. Esse argumento torna-se  falacioso, quando julgado à luz de testemunhos da grande maioria dos alunos da USP. Na verdade, a maioria dos estudantes querem a presença dos policiais militares na Cidade Universitária. Essa ação reivindicatória  não passa de uma espécie de "esquizofrenia política" de tais alunos. Estão lutando contra uma causa inexistente. Segundo o testemunho da grande maioria dos alunos da universidade, a presença da policia militar não é repressiva, muito menos violenta. O que tais alunos "metidos a revolucionários fora de época" desejam, é chamar a atenção da mídia  e se autenticarem politicamente com esse protesto bobo e sem propósito. Tendo em vista que os futuros intelectuais saírão de universidades como a USP, esse ingênuo protesto é um alerta para a nossa sociedade. Se os futuros intelectuais, que deveriam ser as cabeças pensantes de nossa nação, estão protestando e causando arruaças por puro capricho,  quais serão os desdobramentos politicos de nosso país? Se aqueles que deveriam protestar e reivindicar causas justas (como a não aprovação de leis que aumentem o salário de nossos políticos), estão protestando pelo prazer de fumar um "baseado" em dependências universitárias, o que podemos pensar em relação a capacidade crítico-politica das massas? Sinceramente, todos esses acontecimentos me deixam triste e cínico em relação ao futuro de nosso país. Os estudantes "revolucionários fora de época" apenas são um produto do meio. O meio dos intelectuais acadêmicos está lacrado pela insignia do silêncio. O famoso "silêncio dos intectuais". Não opinam quando  necessário. Se omitem de grandes questões que só podem ser balizadas por suas palavras. Isso é o que nos espera! Filhinhos de papai, estudantes de grandes universidades, brincando de ser Fernando Gabeira e José Dirceu. É chegada a hora de acordarmos para a realidade: a mudança de nosso país não acontecerá pela via das revoluções sem propósitos! Siga o Cristo crucificado!

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

NINGUÉM MORRE DE AMOR!

Os encontros e desencontros do amor romântico é algo muito antigo. O amor romântico sempre implica a participação de três pessoas: duas que se amam e se correspondem, e uma terceira que que se desencontra com uma das duas e sofre a dor desse desencontro. Isso é coisa recorrente na história humana. As maiores obras literárias, os melhores quadros pintados, os filmes mais poéticos e as músicas mais tocantes, foram construidas sob a insígnia do amor não correspondido. Onde houver amor romântico, ali haverá alguém sofrendo. Essa é uma inquebrável lei  do amor. Infelizmente a maioria das pessoas, sobretudo as jovens, desprezam essa inflexível lei, menosprezando os seus efeitos. Assim como amar é algo natural, sofrer por amor também o é. Por não entender isso é que muitos jovens, ao sofrerem a dor do amor não correspondido ou interrompido, se colocam numa posição existencial de "niilismo" (nada, fim de tudo). Ouvi, ouço e acredito que continuarei a ouvir jovens dizendo que morrerão caso não sejam correspondidos pelo o seu objeto de amor. Há muitos que se deprimem perdendo o "norte" da vida. Outros se entregam ao desespero e tiram suas próprias vidas (como se tal ação resolvesse o problema da rejeição). É comum, natural e simplesmente humano sofrer por amor. A dor do amor não correspondido, nos faz pessoas mais conscientes de nós mesmos e também de outras realidades ao nosso redor. Quando eu tinha 15 anos de idade, me envolvi com uma menina da mesma idade. Me relacionei "descomprometidamente" com ela durante uns três meses. Ela terminou a nossa leve relação "descomprometida"  de repente. Fiquei mal, triste, meio deprimido. Era a primeira vez que experimentava a dor do amor não correspondido. Chorei (longe das pessoas é claro!), me rebelei... Fiz de tudo para tentar negar ou esquecer aquela dor. Durante aquela fase ouvi uma frase popularesca, mas cheia de verdade prática, de um irmão meu. Ele disse: "Ninguém morre de amor!". Guardo aquela frase até hoje. Quando sinto essa dor, lembro-me dela. Quando aconselho algum jovem inconformado com essa experiência, evoco essa frase. Ninguém morre de amor! Essa é a mais pura verdade! Ninguém que goste de verdade e que tenha consciência de si e do outro, morre de amor. Morre-se por orgulho, amargura, ódio, por egocentrismo, mas nunca por amor. Se você está sofrendo a terrível dor do amor não correspondido, saiba que isso vai passar. Pode demorar um pouco, mas vai passar. Entenda também que essa experiência é recorrente, por isso poderá se repetir em sua vida. O que você não deve fazer é se prostrar as agruras dessa dor e se tornar uma pessoa amarga e sem esperança. Levante a cabeça e continue a sorrir e a sonhar com outro amor... com outro encontro... com outro romance... pois ninguém morre de amor! Siga o Cristo crucificado!

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

BEM ESTAR: CORPOS MAROMBADOS, ALMAS MIRRADAS...

Bem estar. Esse é o nome de um programa  de dicas de saúde  exibido pela Rede Globo de televisão. O programa não é lá essas coisas, mas foge do lugar-comum no que diz respeito ao tratamento da saúde. Na verdade,  o programa "Bem estar" tem alcançado alguns picos de audiência, por ter acertado em cheio no seu título. Bem estar, é o que queremos. A nossa sociedade vive segundo o prisma do sentir-se bem.  Todos querem isso! Esse é o motivo pelo qual trabalhamos horas a fio. É pelo desejo de se sentir bem que muitos vão para a academia todos os dias malharem os seus corpos. Prezamos tanto o bem estar, que não aturamos nenhuma situação e nenhum sentimento que apontem numa direção contrária a isso. É por isso que não nos aproximamos daqueles que são considerados fracos ou que estão doentes. Não queremos nos aproximar de coisas, pessoas e situações que nos lembrem a fraqueza humana. Quando vejo programas como "Bem Estar", noto que há um certo viés realista no que diz respeito a vida. Há uma imensa preocupação com a saúde, com as coisas exteriores, mas pouca ou nenhuma preocupação com a saúde da alma. De que adianta ter o corpo são quando a mente e o espírito estão adoecidos? De que adianta cuidar do corpo enquanto se relega as coisas da alma?  Isso é o que acontece na sociedade pós-moderna dos nossos dias. Gente bonita, marombada, de corpos esculturais e bronzeados se exibindo pelas ruas e academias enquanto escondem dentro de si mesmas, almas mirradas pela culpa e  por toda sorte de perversidades. Precisamos cuidar do corpo, mas principalmente das coisas da alma. Um ser humano pode verdadeiramente desfrutar de bem estar, quando entende que é constituído como um ser uno. O homem é um ser uno e não compartimentalizado e fragmentado, como advogam algumas correntes filosóficas. Por isso devemos cuidar do todo: corpo, alma e espírito. Só se sente bem de fato, quem cuida do corpo e das coisas espirituais. Devemos não somente marombar o corpo, mas também a mente e o espírito. Faça uma reflexão de como anda o tratamento da unidade do seu ser. Você esta cuidando devidamente de seu corpo? E as coisas relativas a alma? Você têm cultivado tais coisas? Não desperdice a sua vida no engano de buscar bem estar em coisas incompletas. Siga o Cristo crucificado!

domingo, 16 de outubro de 2011

NÃO PISE NO PESCOÇO DE QUEM ESTÁ CAÍDO!

Uma das coisas que mais me irritam e  também me iram é a covardia. Não tolero covardia de espécie alguma, pois a covardia é uma atitude injusta e destrutiva. Infelizmente, covardia é atitude padrão em nossa sociedade. Somos muitas vezes covardes, vivemos cercados de gente covarde e somos incitados, dia após dia, à pratica da covardia. Houve um homem a dois mil anos atrás que condenou a covardia de seu tempo por meio de seu estilo de vida. Esse homem foi Jesus Cristo. Jesus denunciou a covardia de seus contemporâneos, apontou para a covardia que agasalhava as instituições sociais adoecidas de sua época e nos mostrou um caminho melhor no tratamento de uns para com os outros. Jesus foi o homem que nunca apagou o "pavio fumegante" e muito menos "quebrou o caniço rachado". Ele nunca pisou no pescoço de quem quer estivesse arriado na lona da vida. Nunca foi covarde. Sempre perdoou, amou, abraçou, entendeu, compadeceu-se, acreditou, estendeu as mãos para levantar... Os pés de Jesus pisaram apenas em um pescoço: o pescoço da covardia. Jesus fez todas essas coisas e enquanto as fazia, ele nos ensinava. A lição primaz de Jesus é a de que  jamais devemos  pisar no pescoço de alguém que esteja caído. Jesus não pisou no pescoço de uma mulher de seu tempo que fora surpreendida em adultério. Não tripudiou sobre a vida de um homem corrupto e covarde chamado Zaqueu. Não pisou no pescoço de Judas Iscariotes enquanto este o traia e caía  na lama da condenação eterna. Pessoas que estão caídas ou que caíram, necessitam apenas de graça e compreenssão.  Pisar no pescoço de quem está fraco, desprotegido e envergonhado não ajudará em nada. Somente destruirá tal pessoa. Ao ler  este texto  faça a seguinte pergunta para si mesmo: "Os meus pés estão pisando o pescoço de quem?" Analise a sua vida e tome a decisão de não ser um covarde que pisa no pescoço de quem está prostrado sob alguma circunstância adversa da vida. Ame essas pessoas. Esteja ao lado delas, confortando-as e sustentando-as. Faça isso, pois talvez amanhã, o seu pescoço estará desprotegido e poderá ser alvo de pessoas com pés cheios de covardia. Siga o Cristo crucificado!

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

SOBRE O PROTESTO FACEBOOKIANO: RI E RI MUITO...

Nessa última semana fiquei muito surpreso ao acessar a minha rede social predileta: o facebook. De um dia para o outro me deparei com perfis emoldurados por personagens de desenhos animados. A princípio não entendi muito o porquê dessa ação virtual em massa no facebook, até ser informado de que tudo não passava de um protesto contra a violência infantil. A ideia éra que os usuários do facebook trocassem os seus perfis por outros perfis de imagens de desenhos animados até o dia 12 de outubro, dia das crianças, como ação de protesto contra a violência infantil. Achei legal tal ação, pois através dela pude constatar que ainda existe potencial coletivo para  protesto, ainda que na arena virtual. Mas em relação a efetividade do protesto dos perfis lúdicos no facebook, apenas ri e ri muito. Fotinhas de imagens de personagens de desenhos animados, seria a melhor forma de denunciar a violência infantil? De fato isso poderia mudar a realidade das crianças de nosso país? Essas e mais perguntas brotaram em minha mente, e ao pensar nas respostas mais plausíveis, ri e ri muito. O protesto realizado pelos usuários do facebook contra a violência infantil, é uma das expressões mais patética da hipocrisia fundamentada na ação do politicamente correto que impera em nossa geração. Fiquei sabendo de usuários do facebook que foram retaliados por não aderirem aos perfis das chirras e das belas adormecidas e também soube que alguns outros foram descriminados por terem questionada a racionalidade e efetividade de tal protesto. Esse é o perfil coletivo de nossa sociedade:  uma sociedade infantilóide, que vive no mundo  das coisas lúdicas. Agimos jocosamente como se um pseudoprotesto baseado numa brincadeirinha virtual realmente denunciasse algo tão sério como a violência que as crianças de nosso país sofrem todos os dias. É chegada a hora de abandonarmos toda atitude (mesmo aquelas saturadas de pretensa civilidade) que baseie-se na hipocrisia da ação do politicamente correto. Se você quer realmente protestar contra a violência infantil, denuncie o seu vizinho que agride e molesta suas próprias filhinhas. Denuncie a grande mídia que moralmente violenta as nossas crianças dia após dia na sala de nossas casas, através de um aparelho televisor. Proteste, mobilize pessoas, mas faça algo concreto. Faça alguma coisa baseado nas reais necessidades que nos cercam. Siga o Cristo crucificado! 

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

EM DEUS, TUDO ACABA EM PIZZA?


Sermão que eu preguei no último Radical, dia 10 de setembro de 2011

 
Em Deus, tudo acaba em pizza?
Gálatas 6.7-9

Introdução

Pessoas diante de uma mesa saboreando uma boa pizza! Esse é o melhor comparativo para as diversas situações da vida. Em nossa sociedade tudo acaba em pizza! Não importa a situação, não importa o que se faça, no final das contas tudo vai terminar em pizza. Essa expressão “Acabar em pizza” tem sido usada para se referir a impunidade e a falta de justiça. Pessoas aprontam, e nada acontece. Nós chagamos até a pensar que não existem mais conseqüências para as coisas que fazemos.

Nessa noite eu gostaria de citar alguns casos notórios em nossa sociedade, que acabaram em pizza.

“Poupança é coisa sagrada”-Fernando Collor, ex-presidente da Republica.

(32º presidente do Brasil, Fernando Collor no ano de 1990, meteu a mão na poupança de milhares de brasileiros. Hoje senador e pensa em voltar a presidência do Republica).

“Estou casado a 50 anos; moro na mesma casa a 42; e estou no mesmo partido a 38: sou um animal em extinção”-Paulo Maluf, ex-governador de São Paulo.

(No ano de 2001 foi provado que Maluf tinha contas ilegais na Suíça e que possuía R$13 milhões de verbas desviadas de sua gestão em São Paulo na década de 90).

“Você nunca pode ter vergonha. Peça, peça, peça. Quem quiser, dá, quem não quiser não dá”-Edir Macedo, bispo e dono da TV Record

(No ano de 1992 foi provado que Macedo arranjou R$20 milhões de dólares, acima de seu patrimônio, e comprou a TV Record).

“O crime não compensa!”-Edson Pereira de Carvalho, juiz de futebol.

(Em 2005 descobriu-se a máfia do apito, onde resultados eram manipulados pelos juízes envolvidos. O Corinthians foi o campeão daquele ano. Se alguns resultados não tivessem sido manipulados o Internacional teria sido o campeão)

Esses são alguns casos que acabaram em pizza em nosso país. Toda essa injustiça nos leva a não mais acreditar  mais em nada. Hoje em dia, nos não acreditamos em mais nada e em mais ninguém. E na pior das circunstâncias, não acreditamos mais em conseqüências. Para muitos de nós, tudo na vida vai acabar em pizza.

Isso tudo nos leva a fazer uma pergunta: “E, em Deus, tudo acaba em pizza?”

Será que Deus não leva em conta as coisas que fazemos? Será que Deus não está “ligado” nas suas atitudes? Tem muita gente achando que em Deus não “pega nada”, “não dá nada”. É só pedir perdão, que ele perdoa...



Mas, a Bíblia diz que em Deus nada acaba em pizza!

Em Deus, nada é em vão. Um olhar, uma palavra, um pensamento... Deus leva tudo em conta.

Em Deus nada acaba em pizza...


1º Porque Deus leva a sério os votos que fazemos com ele.

Deus leva a sério todas as palavras que você diz, desde uma confissão a um palavrão. Por isso quando prometemos coisas para Deus, quando fazemos votos com ele, ele guarda essas coisas no coração. Nada do que você diz para Deus passa despercebido. Quando você diz quer ser usado, que vai abandonar o pecado, que vai se entregar mais... Quando você promete para Deus que vai dar uma quantia especial, que vai ficar sem namorar durante um tempo, Deus guarda essas coisas no coração e as leva a sério.

Tome cuidado com os votos que você fez com Deus ou com os quais você pretende fazer!

A Bíblia diz em Eclesiastes 5.4-7:

 “Quando você fizer um voto, cumpra-os sem demora, pois os tolos desagradam a Deus; cumpra o seu voto. É melhor não fazer voto do que fazer e não cumprir. Não permita que a sua boca o faça a pecar. E não diga ao mensageiro de Deus: “O meu voto foi um engano”. Por que irritar a Deus com o que você diz e deixá-lo destruir o que você realizou! Em meio a tantos sonhos absurdos e conversas inúteis, tenha temor de Deus”


Oswald Smith conta em um de seus livros a história de uma mulher na antiga União Soviética que havia feito um voto com de se entregar sua filha a obra missionária. Na verdade ela era estéril, e dizia em suas orações que se Deus lhe desse um filho, ela o entregaria a obra missionária. Passou-se muito tempo e aquela mulher engravidou. Ela deu á luz uma linda garotinha. Depois de 16 anos aquela garotinha se tornara uma moça profundamente apaixonada por Jesus e sua obra. Certo dia ela disse a sua mãe que havia tomado a decisão de se entregar a um projeto missionário que envolvia jovens de sua idade. A sua mãe ficou irada e disse: “não!”. A menina adoeceu de tristeza, e então a sua mãe lhe disse que no próximo ano ela poderia ir para o tal projeto missionário. Chagada a data a sua mãe disse mais uma vez: “não!” A menina ficou mais uma vez triste e doente e depois de um mês ela faleceu!


Analise quais são os votos que você já fez com Deus, mas que você não tem cumprido!




2ºPorque Deus leva a sério os compromissos que firmamos com ele e com os outros.

Certa vez um pai estava aconselhando sua filha que estava prestes a se casar disse a moça: “Filha, casar é como comprar sapatos, se você não gostar do sapato é só voltar na loja e trocar”.

Quando se fala de compromisso, muitos pensam como esse pai aconselhando a sua filha: se você não gostar, saia fora! Se você se comprometeu com uma igreja, mas está se sentindo cansado, saia fora. Se você se comprometeu a namorar alguém, mas não se sente mais apaixonado ou encontrou alguém mais atraente, parta para outra, pois a fila anda. Compromisso na nossa geração não em valido mais nada. Somos a geração do efêmero, onde tudo passa rápido.

No mês de julho a folha de São Paulo publicou uma matéria com o tema: “A geração descomprometida”. Uma dessas conclusões dessas matérias foi de que essa nossa geração é a mais descomprometida de toda a história. Não nos comprometemos com o trabalho, com os estudos, com as pessoas e com nenhuma instituição.

Talvez você seja alguém que tem muita dificuldade em firmar e perseverar em seus compromissos. Entenda que Deus leva a sério os compromissos que você firmou com ele e com os outros.

Quando você se compromete a servir a Deus num ministério, ele leva isso a sério e te usa de verdade. Quando você se compromete abrir mão de alguma área de sua vida, Deus leva isso a sério e te usa. Os compromissos que firmamos com Deus não acabam em pizza. Se você se comprometer a ser curado, Deus irá curá-lo.

Ontem algumas pessoas da igreja foram na comemoração dos 140 anos dos batistas no Brasil. Lá tivemos a oportunidade de ouvir a missionário Analzira Pereira do nascimento, que serviu a Cristo em Angola durante 14 anos, em meio a uma devastadora guerra civil. Ela nos contou que Deus só pode usá-la como a usou porque ela havia firmado um compromisso com ele ainda na sua juventude.

Quais são os compromissos que você precisa firmar com Deus hoje? Se batizar? Se tornar membro dessa igreja? Servir em algum ministério? Se consagrar mais?


3ºPorque Deus leva a sério as nossas ações.

O texto que nos lemos no início da mensagem diz:

 “Não se deixem enganar: de Deus não se zomba. Pois o que o homem semear isso também ele colherá. Quem semeia para a sua carne, da carne colherá destruição; mas quem semeia para o Espírito, do Espírito colherá a vida eterna”.

Deus está de olho em tudo o que praticamos. Ele está constantemente pesando as nossas ações. O texto que lemos á pouco, diz que alguns plantam para a carne e colhem destruição enquanto outros plantam para o Espírito e colhem a vida eterna.

Você tem plantado para a carne ou tem plantado para o Espírito?

 Se importe com as suas próprias ações. Não as avalie pelo impacto ou publicidade delas, mas sim pela sua qualidade.

Deus quer levantar uma geração que se preocupe em praticar boas obras. Obras que organizem o caos no qual o mundo se encontra.

“Os pequenos atos que se executam são melhores que todos aqueles que grandes que se planejam”- George Marshall


Conclusão
Deus é um Deus de graça, mas sua graça não exclui sua justiça. Por isso nEle, nada acaba em pizza! Deus leva em conta tudo aquilo que os homens fazem, dizem, pensam e desejam.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

ESSE EU RECOMENDO!



Se há uma história relacionada a um povo que precisa ser recontada, reformulada e Leandro Narloch escreveu o tão polêmico livro “Guia politicamente incorreto da história do Brasil”. Com passagens por grandes revistas de nosso país como Veja e Super-Interessante, o escritor curitibano, na presente obra, rasga o verbo e contesta a atual historiografia brasileira. O autor começa o livro, desconstruindo os conceitos que temos recebido desde muito cedo sobre a história da nossa nação. Ao invés de retratar os índios como moçinhos, Narloch os coloca como vilões no drama da nossa colonização. O autor também faz declarações polêmicas e surpreendentes a respeito de algumas figuras reconhecidas como heróicas pelo o nosso povo. Na presente obra, ouvimos histórias de um Zumbi dos Palmares que possuía escravos, de um Santos Dumont que não foi o pioneiro na invenção do avião e de um aleijadinho que supostamente nunca existiu. Leandro Narloch, também defende algumas máximas que irritam os mais patriotas. Feijoada e samba, são para ele, invenções européias. Os revolucionários perseguidos pela ditadura militar no nosso país, foram grandes perseguidores. O jovem escritor também não poupa comentários em relação aos grandes dramas de nosso país. Segundo o autor, a posse do Estado do Acre foi um grande “tiro no pé” e alguns dos incidentes da guerra do Paraguai não passam de uma grande falácia. Escrito numa linguagem irreverente e acessível, o livro “Guia politicamente incorreto da história do Brasil” é como disse o próprio autor, “uma tentativa de jogar tomates na atual historiografia do Brasil”. A obra de Narloch, tem apenas uma agravante. É um livro sem grandes referências bibliográficas, o que reduz e muito a confiabilidade acadêmica da narrativa. O livro é recomendado para todas as pessoas que possuem um senso crítico e que desejam repensar a história que nos sido contado desde muito tempo. “Guia politicamente incorreto da história do Brasil” de fato é uma obra que rema contra a maré das unanimidades historiográficas de nosso país. É uma obra que rompe com qualquer vínculo com a ação do politicamente correto e da militância ideológica que impera nos nossos dias.










quarta-feira, 24 de agosto de 2011

A IMAGEM COMO CULTO



Abaixo, um texto autobiográfico do pastor Caio Fábio

Quando me converti me ensinaram a importância de ser sincero e de se evitar a  aparência do mal. Então, conforme meu entendimento na época, cortei o cabelo que sempre tinha sido longo, mudei o estilo das roupas, vendi a motocicleta e comprei um carro, evitei achar coisas engraçadas muito engraçadas e, sobretudo, me abstive de qualquer conversa com mulheres que não acontecessem em lugares públicos, oficiais ou religiosos! Comecei a pregar com muita graça. Então me informaram que meu único problema era ser tão jovem, apenas 19 anos. Tomei providencias: parei de lutar jiu jitsu, fiquei cada vez mais sisudo, passei a me comportar como um velho sem ambições, aceitava vestir tudo o que me dessem, mesmo que fosse contra todos os meus gostos e sentidos, e, também me dediquei ao jejum e à oração como um ermitão do deserto! A televisão me tornou instantaneamente conhecido. Agora eu não podia mais ir a um banco ou qualquer outro lugar: todos queriam me passar adiante de todos nas filas e me conceder honrarias especiais.  Eu só tinha 20 anos. Não gostei. O que pensariam de mim? Será que me veriam como uma “capitalizador de oportunidades”? Decidi não aceitar nunca tais favores. O problema é que isso parecia indelicado. Acabei não indo mais a lugares públicos a não ser para pregar! O bom testemunho tinha de ser sempre mantido. Então engoli todas as minhas irritações, impaciências e cansaços—mesmo que fossem absolutamente justificados. Eu não tinha direitos! Minha mente funcionava muito rápido. Tudo era fácil de entender. As pessoas pareciam ficar meio intimidadas na minha presença. Eu tinha apenas 23 anos. Por isto comecei a fazer de conta que não compreendia tudo que compreendia e não opinava jamais sobre nada que não fosse bíblico. Tinha que haver humildade. Os outros não poderiam me entender mal. Fiquei conhecido em quase todos os lugares. Muitos se identificavam comigo. Gostavam que houvesse alguém como eu no time deles. Então, começaram a me dizer isto. Declaravam com tal veemência que eu passei a crer que era minha responsabilidade assumir aquele lugar! Cheguei aos 27 anos como unanimidade nacional cristã. Os antagônicos me apreciavam apesar de odiarem-se entre si. Diziam que eu tinha que unir os não-uníveis. Lentamente minhas cruzadas e congressos passaram também a ter esse papel. Fazia de tudo para não criar crises. Deixei, entre outras coisas, o pastorado local a fim de que ninguém me visse como uma ameaça eclesiástica ou denominacional. Os evangélicos não tinham voz. Espertalhões se vendiam como representantes de todo o grupo. Outros faziam maluquices e, quando pressionados pela opinião pública, diziam-se perseguidos por serem evangélicos. A comunidade se revoltava. Queriam uma representação. Acabei eleito por aclamação presidente da Associação Evangélica Brasileira. Eu era o único nome que conciliava na média os interesses de quase todos! Agora eu já não podia mais falar em meu próprio nome. Representava milhões de pessoas. Havia a média evangélica ponderada a ser preservada! Já fazia algum tempo que eu não era apenas uma figura religiosa. A mídia secular me descobrira e me acionara enormemente. Demandas começaram a surgir de todos os níveis. O papel de Ser Imagem era penoso. Doía a alma. Fazia-me ter saudades do tempo que eu era apenas eu! Quanto mais carregado se está, mais cargas são postas sobre você! Dessa forma associar-se à mim dava prestígio. Até companhias multinacionais desejavam capitalizar no vínculo de sua imagem à minha. A Fábrica de Esperança foi também fruto do recurso que esse capital de imagem produziu. Tudo havia começado na intenção de evitar a aparência do mal. Agora eu tinha que viver a fim de expressar a aparência do bem! Bem e mal! Aparências. Tudo mal. Aparência não gera nada além de aparência. É o que parece. Nem sempre é o que é! Crises. Por que eu tinha que tentar dar cara a uma comunidade cuja cara pública lhe fazia jus? Comecei a me sentir cometendo um estelionato. Estava falsificando para o “bem” uma imagem comunitária que não correspondia aos fatos! Eu nunca fui insincero. Amava a Jesus e ao Evangelho. Nunca brinquei de nada. E nunca assumi nada do que assumi sem sincera vontade se servir. Mas não basta ter sincera vontade de servir. Só serve se servir como verdade libertadora e afirmadara do ser para você, na presença de Deus! Aos 44 anos eu explodi! Não queria mais viver nem para aquilo e nem daquele jeito. Era como perder a própria alma! Infelicidades latentes se tornavam patentes! Para mim, toda-via, não há-via! Não havia nenhuma via! Um salto no escuro! Na mesma medida em que a imagem foi cultuada ela agora era execrada! E tudo começou tão suavemente, tão santa e puramente, tão cheio de idéias! Hoje, anos, décadas mais tarde, olho para trás sem medo. Vejo e não fujo do que enxergo. E, para mim, entre tantas doenças que percebo, essa é uma das mais graves no sentir dos cristãos: o culto a imagem! A confissão de fé da “Igreja” é Conduta, Aparência e Performance. Jesus, no entanto, nos chamou para Caminho, Verdade e Vida! Digo isto com muita reverência. Afinal, não fui, ainda sou! A visibilização da fé dos cristão não se segura no que é, mas no que parece ser! “Vós tendes que se parecer com o sal da terra”—é o modo existencial como compreendemos o Evangelho! E enquanto tentamos parecer sem ser não nos tornamos abertos para admitir quem somos a fim de que sejamos curados! Hoje, mais do que nunca e com toda a consciência, desejo de coração que ninguém pense de mim nada além do que em mim vê e de mim ouve! Posso ser apenas humano. Um humano que conheceu a si mesmo na Graça de Jesus. Um humano que não precisa ser nada além de um ser inacabado, mas que não desiste de prosseguir para conquistar aquilo para o que foi conquistado por Cristo Jesus. No homem cabe um pastor. Mas no pastor não cabe um homem inteiro. No Filho do Homem cabe o Salvador. Mas no Salvador não cabe o Filho do Homem! O Salvador não foi mais que o Homem onde apareceu Seu lado divino de ser e Seu lado humano de aparecer! O Verbo se fez carne! A imagem tem que corresponder ao que é! do contrário, fica apenas a imagem oca e sem vida. Sem amor nada disso aproveitará!

Caio


Escrito para o site evangélicos.com em 2003


quinta-feira, 18 de agosto de 2011

EU ACREDITO!


A cada novo dia, encontro pessoas que se dizem cristãs, mas que na verdade acreditam em tudo, menos em Cristo. São luteranos, calvinistas, batistas, presbiterianos, pentecostais, neo-pentecostais, católicos romanos, paulinistas, javistas, ortodoxos, neo-ortodoxos, liberais... mas não são cristãos no termo lato da palavra. Ser cristão é ser como Cristo e ser como Cristo é ser cristão. Essa lógica resume a fé cristã. Baseado nessa triste realidade gostaria de publicar abaixo as coisas sobre as quais eu acredito como um cristão que tenta ser como Cristo:

Eu creio que Jesus Cristo é o filho de Deus, que veio ao mundo em carne, morreu numa cruz e ressucitou ao terceiro dia e está a direita de Deus. Creio que só nEle há salvação para o homem pecador. Creio que a Bíblia é a palavra de Deus é que é inspirada por ele de ponta a ponta. Creio no sacerdócio universal dos crentes. Creio que Deus não têm filhos prediletos, mas que têm filhos íntimos. Creio em “unção”. Creio que Adão e Eva existiram conforme o relato bíblico. Creio que Jonas foi engolido por um grande peixe. Creio que Deus responde oração. Creio em vocação e chamado divinos. Creio que Deus honra a liberalidade. Creio na trindade. Creio na existência de anjos e demônios. Creio em batalha espiritual. Creio que a igreja é plano de Deus para nós. Creio que Deus ainda continua trabalhando. Creio que a igreja é o principal agente de evangelização mundial, mas não o único. Creio na existência do dom de línguas e em todos os outros dons espirituais. Creio  que o Diabo na verdade é um servo de Deus. Creio em milagres. Creio no pecado original (todos nascemos com o pecado). Creio que fazer sexo antes do casamento agride a vontade de Deus. Creio que a heterossexualidade é o padrão de Deus para todos os homens. Creio que Jesus virá para buscar os seus filhos. Creio que pessoas morrem por participar da ceia do Senhor indevidamente. Creio que Deus fala a todo momento. Creio que o céu será um lugar de alegria e prazer constantes. Creio no inferno literal. Creio que Deus odeia o divórcio. Creio na graça de Deus. Creio que estudar é a forma que Deus proveu para amadurecermos o espírito. Creio que a graça de Deus se manifesta a todos os homens. Creio que existem profetas seculares. Creio que o mundo não é um lugar, mas antes um "sistema". Creio que a salvação é pela fé em Cristo Jesus. Creio que nem tudo o que fizermos aqui será julgado aqui. Creio que Deus deu livre-arbitrio a todos os homens. Creio em amizade entre um homem e uma mulher. Creio que Deus sonda os corações. Creio que no céu haverá animais. Creio em pressentimento. Creio que Deus se revela em sonhos. Creio que todos podem mudar. Creio que Deus odeia a rebeldia. Creio em encarnação (Jesus tornou-se carne), mas não em re-encarnação. Creio que eu só creio em tudo isso porque creio no homem-Deus Jesus Cristo!

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

QUEM É DEUS, AFINAL DE CONTAS?


Quem é Deus, afinal de contas? Essa é uma pergunta teológica que todo ser humano fará algum dia. Que Deus é um ser existente, isso já é sabido de todos e também está expresso nas coisas criadas, como já dizia Tomás de Aquino. Mas agora, quem é de fato a dinvidade? É o deus panteísta, que tudo é e está em tudo? Será o deus budista, que nada mais é que energia cósmica? É o deus dos deístas, que criou tudo e todos, mas que se cansou e então deu cordas no relógio do universo e virou as costas para suas criaturas deixando o enredo da história acontecer de qualquer jeito? Poderá ser o deus dos muçulmanos, que é misericordioso, mas que só gosta de muçulmanos e se encontra longe do homem? Ou Deus é aquela pessoa que os cristãos chamam de Jesus Cristo? A resposta que você der a essa pergunta, mudará não só a sua compreensão de Deus, mas também mudará a sua compreensão de si mesmo, do outro e do mundo ao seu redor. A Bíblia foi escrita para dizer a todos os homens, em todos os lugares, de todas as épocas e culturas, que Jesus Cristo é a face humana de Deus. Se você quer saber como Deus age e reage, olhe para Jesus Cristo. Se você quer saber como Deus costuma tratar os seres humanos, olhe para Jesus. Se você quer saber como Deus trata o pecado e os pecadores, olhe para a vida de Jesus enquanto andou aqui nessa terra. Deus é Jesus, e Jesus é Deus! Que grande privilégio temos todos nós: sondar o criador do universo através das páginas da Bíblia! Faça isso agora. Pegue uma Bíblia, e então a abra num dos evangelhos, e tire as sua conclusões sobre o caráter de Deus. Siga o Cristo crucificado!

sábado, 30 de julho de 2011

NÃO CAIA NA CILADA DE ASSISTIR "CILADA.COM"


Nessa semana eu fui ao cinema com quatro amigos, para assistir “Cilada.com”, filme protagonizado pelo ator e comediante Bruno Mazzeo. A minha expectativa em assistir esse filme era grande. Esperava um filme inteligente e engraçado, baseado no programa “Cilada” exibido na Multishow. O filme não preencheu as minhas expectativas. Não apresentou um bom enredo e muito menos um humor inteligente. Na verdade, “Cilada.com” é uma mistura de Besteirol americano com as velhas pornochanchadas brasileiras. Durante a exibição do filme, dei muitas gargalhadas, mas todas elas foram involuntárias (forçadas pelo instinto humano; como rir de alguém que escorrega e cai no chão). “Cilada.com” é um fiasco cinematográfico dentro dessa nova onda de bons filmes brasileiros. Perder quase duas horas do meu tempo para assistir esse filme, foi como ter caído numa grande cilada. Um filme que se baseia em cenas como a de um personagem gordão excêntrico mostrando a bunda, e de um travesti exibindo o pênis não deve ser prestigiado por ninguém. Não faça igual a mim e os meus quatro amigos: não caia na cilada de assistir “Cilada.com”! Assista o filme dos pingüins do Jim Carey ou então leia um bom livro. Siga o Cristo crucificado!

NÃO SEJA UM CRENTE VACILÃO!


Estou cansado de crentes vacilões. Crentes vacilões são aqueles crentes que não conseguem firmar compromisso com nada. Se há uma vigília, eles não podem ir. Se um desafio é lançado, eles nunca topam. Ficam sempre atrás do pastor e estão sempre distantes de qualquer projeto que suas igrejas locais desenvolvam. Crente vacilão é aquele que foge de suas responsabilidades cristãs. Não leva a bíblia para as reuniões, boceja enquanto o sermão é pregado, frequentemente chega atrasado nas reuniões,  fala mal do pastor, e mesmo após alguns anos de conversão ainda não consegue encontrar o livro de Habacuque na bíblia. Crente vacilão é aquele que não dizima e oferta na sua igreja, falta aos cultos, não participa da ceia do Senhor por estar com relações cortadas com alguém, tem medo de ser delatado por algum demônio numa possessão, tem medo de orar em público, não se alegra com os mais novos, caça pecados na igreja e vive uma vida dupla. A igreja está cheia de crentes vacilões. Ninguém mais os agüenta. Eles só servem para atravancar o crescimento e amadurecimento de qualquer comunidade cristã. Se você costuma praticar mais de duas das atitudes citadas acima, você é um crente vacilão. Jesus Cristo usa qualquer tipo de pessoa; gente simples, analfabeta, pobre, rica, feia, bonita… ele pode usar qualquer um, menos crentes vacilões! Onze dos doze discípulos de Jesus eram fracos, iletrados, invejosos, competitivos, irascíveis e medrosos, mas não eram vacilões. Creio que Jesus os escolheu por causa disso. É como se Jesus tivesse dito: “Ah, eles são tudo isso, mas não são vacilões, servem como instrumentos de transformação do mundo!”. O único vacilão entre os doze discípulos foi Judas Iscariotes. Ele foi tão vacilão, que não conseguiu se arrepender e por isso se matou de remorso. O mundo esta como esta, por causa dos crentes vacilões que não exercem sua autoridade na terra. Jesus conta com uma geração de jovens e adultos que assumam a suas responsabilidades cristãs. Gente que leva a Cruz de Cristo a sério, que ame a sua igreja local e se afaste do pecado. Não seja um crente vacilão! Siga o Cristo crucificado!

AS SEM-RAZÕES DO AMOR


Abaixo a maravilhosa poesia de Carlos Drummond de Andrade:

Eu te amo porque te amo.
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga

Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.

Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.

Amor é primo da morte
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
e cada instante de amor.


terça-feira, 26 de julho de 2011

VALORIZE QUEM ESTA PERTO DE VOCÊ!



Certa vez Jesus disse que um profeta não tem honra em sua própria terra. Jesus disse isso baseado em sua própria trajetória de vida. Os galileus não o aceitaram, chamavam-lhe de Belzebu (o maioral dos demônios). Os evangelhos relatam que até mesmo os gregos queriam ouvi-lo, enquanto os judeus queriam matá-lo. Ele veio para os que eram seus, mas os seus não o receberam... Jesus sofreu na pele a rejeição dos mais próximos. Jesus nos advertiu quanto a isso. Nós, seres humanos, temos a tendência de valorizar sempre aquilo que nos é distante. Segundo o nosso ponto de vista, os pais dos outros são sempre mais legais que os nossos. Os amigos dos outros são mais fieis que os nossos. As outras igrejas são melhores que as nossas. Os pastores das outras igrejas são sempre melhores e mais amorosos que os nossos. A proximidade é o nosso aferidor de valores; quanto mais longe de nós,maior, e quanto mais perto, menor é a representatividade de uma pessoa. Jesus, o filho de Deus, foi um profeta sem honra. Ele mesmo nos alertou sobre essa triste realidade humana. Revelou-se aos homens, mas eles não o receberam, pois estavam olhando apenas para a sua embalagem humana; a sua aparência física, o seu sotaque, a sua ascendência, a sua cultura... Não olharam para o caráter do filho de Deus que estava diante deles. De igual modo aos religiosos da época de Jesus, impomos a desonra dos profetas sobre os mais próximos de nós e também a recebemos dos nossos entes mais queridos. Triste é essa realidade; ser desprezado pelos mais próximos. A comunidade que Jesus deixou aqui na terra (a igreja) foi formada com o propósito de quebrar esse paradigma de desonra aos profetas. Jesus disse que devemos amar uns aos outros. Os primeiros cristãos, na sua grande maioria, honravam os seus líderes mais próximos. O apostolo Paulo quando deu instruções ao seu jovem discípulo Timóteo, enfatizou a importância de valorizar os nossos mentores mais próximos. Ele disse: “Quanto a você, porém, permaneça nas coisas que a prendeu e das quais tem convicção, pois você sabe de quem o aprendeu”. (2° Timóteo 3.14). Precisamos voltar á prática dos primeiros cristãos: valorizar os mais próximos. Pois, o que muda as nossas vidas, não são as pessoas que nos ajudam estando longe de nós, mas sim aquelas que nos auxiliam estando perto. Pense agora nas pessoas que estão próximas de você. Você, devidamente tem valorizado essas pessoas ou vem comparando-as a pessoas distantes e desconhecidas? Você já agradeceu a esses que estão perto de você? Você os admira? As respostas que você der a essas perguntas podem definir o seu crescimento daqui a alguns anos. Valorize as pessoas que estão próximas de você. Fuja da síndrome da desonra aos profetas. Siga o Cristo crucificado!

domingo, 24 de julho de 2011

AMY, O RETRATO DA NOSSA GERAÇÃO



Infelizmente, nesse último sábado (dia 23 de julho) fomos surpreendidos com a triste notícia da morte da jovem e talentosa cantora Amy Winehouse. Com apenas 27 anos de idade, Amy Winehouse conquistou quase todos os grandes prêmios musicais que um artista poderia conquistar. A fatídica morte da jovem Amy, já fora anunciada a muito tempo, através de seu estilo de vida autodestrutivo. Amy Winehouse é o retratado da nossa geração. Viciada em drogas e metida em várias e frequentes confusões, a cantora tornou-se um espelho para toda uma geração de jovens. Amy foi alguém que valorizou muito o talento natural em detrimento da disciplina pessoal. Chegava atrasada em alguns shows e, em outros, subia ao palco, totalmente alcoolizada.A nossa geração tem vivido sob o mesmo prisma existencial em que Amy vivia. Usar algum tipo de droga é status nos dias de hoje, tanto que as recaídas de Amy eram recebidas pelo grande público com muita excitação, como se fossem o exercício de uma grande virtude.  Assim como a bela cantora, nós também não levamos muito a sério o trabalho e nem a disciplina pessoal. Nos contentamos com o talento natural que possuímos,  e buscamos a morte através de um estilo de vida que cultua o risco, acima de qualquer outro valor. Fiquei muito triste, mas nenhum pouco surpreso, ao receber a notícia da morte de Amy Winehouse.  Na verdade ela se encontrava num processo de mortificação existencial á muito tempo, a sua morte definitiva já era esperada pelos seus fãns e pela grande mídia. As atitudes excêntricas e agressivas de Amy, era a sua forma de pedir ajuda. Ela gritou por socorro, mas ninguém a ouviu. A nossa geração, igualmente se encontra dessa forma, envolta num processo de mortificação existencial, gritando na intenção de ser ouvida. Não temos uma causa pela qual viver e muito menos uma causa pela qual morrer. Somos na coletividade o que Amy fora na sua pessoalidade: um símbolo brilhante de talento, porém submetido à inutilidade. Pretendo lutar para que a minha geração não tenha um final como o de Amy Winehouse. Quero assumir um estilo de vida onde a própria vida seja a fonte reguladora de todas as minhas ações. Luto para ser como Jesus Cristo, que morreu jovem, com apenas 33 anos de idade, mas que viveu uma vida comprometida com a disciplina e com o amor. Amy é um espelho para nós. Talvez se olharmos para a sua biografia, nos enxergaremos nela. Buscamos a satisfação de nossos prazeres a qualquer custo, e nesse processo de busca, nos autodestruímos pouco a pouco. Infelizmente, a nossa geração está previamente condenada a um final trágico como o de Amy. A única esperança para a nossa geração, é experimentar a vida que Jesus Cristo oferece. Se Amy Winehouse tivesse experimentado essa vida, ela estaria viva para cantar e nos encantar com o seu timbre diferenciado. Faça de Jesus o seu espelho. Siga o Cristo crucificado!


FOME DE PÃO OU FOME DE JUSTIÇA?



Nessa última sexta-feira, dia 22 de julho de 2011, estive com os jovens da Igreja Batista Betesda, na “Noite do agasalho”, evento realizado com o propósito de auxiliar os mendigos de Piracicaba. Estar com aquelas pessoas foi uma experiência marcante para todos nós. Tivemos a oportunidade de conhecer e conversar com pessoas muito especiais e amorosas. O impacto dessa visita, não decorreu do assistencialismo que fizemos, mas sim do amor que recebemos daqueles homens, moradores de rua. A cada abraço e a cada aperto de mão que recebíamos, podíamos enxergar a pessoa de Jesus Cristo. Jesus estava ali na presença daqueles moradores de rua. Eu senti Jesus no abraço do Genivaldo e no sorriso do seu Antônio. Pude ver o bom humor de Jesus nas “gracinhas” do "Tevez" e nas interpretações teatrais do “Sombra”. Entendi um pouco mais da humanidade de Jesus, através das lágrimas do “Magrão” e do silêncio do Wender. Jesus se encontrava ali, e nós pudemos vê-lo. Que santa ironia; fomos ao encontro desses homens com a intenção de lhes apresentar Jesus Cristo, e no final das contas, eles é que nos apresentaram Jesus, através de suas vidas. No final de nossa visita, fizemos um grande círculo, para concluirmos com uma oração de agradecimento. Antes de orarmos, o “Magrão” pediu a palavra e disse uma frase da qual eu nunca mais me esquecerei. Ele disse:“Deem pão a quem tem fome, e fome de justiça a quem tem pão”. Com o impacto dessa frase, fomos todos embora para o aconchego de nossas casas. O impacto disso, ainda está pulsando no meu coração. Qual deve ser a maior fome do ser humano? Fome de pão ou fome de justiça? A partir de hoje decidi orar a frase do “Magrão”:“Senhor, ajuda-nos a dar pão para quem tem fome, e dê fome de justiça aos nossos corações que comumente só se saciam com pão”. Siga o Cristo crucificado!

sexta-feira, 22 de julho de 2011

EU FUI TRANSFORMADO!



Eu nasci numa família evangélica de tradição batista. Em minha casa todos eram cristãos exceto o meu pai,  e que ainda não se converteu. Desde muito novo aprendi a orar, ler a bíblia e a cantar lindas músicas a Jesus. Quando cheguei na fase da adolescência, algumas coisas começaram a mudar no meu coração. Pouco a pouco comecei a me distanciar de Deus. Já não mais queria ir aos cultos da igreja; a vida com Jesus já não mais me fazia sentido. Lá pelos 15 anos de idade comecei a buscar novas experiências para a minha vida. Essa foi uma tentativa de saciar desejos naturais da adolescência e o vazio da minha alma. Foi nessa busca de novas experiências que comecei a sair para algumas festas, beber e  me envolver com garotas. Comecei a me ferir e a me tornar uma pessoa triste. Ia as festas, mas já não sentia alegria. Bebia e me sentia apenas mais vazio.Não conseguia me olhar no espelho. Caminhava para um processo de lento suicídio. No dia 05 de abril de 2003 fui surpreendido por uma notícia terrível: o meu primo Ezequiel havia sido assassinado. Ver o meu primo num caixão me fez cair na real. Entendi através daquela experiência que existia algo maior por detrás da vida. Quatorze dias depois do velório do meu primo, fui a um acampamento de uma igreja, e lá tive um encontro com aquele que sem o perceber, eu tanto procurava nas festas, bebidas e mulheres: Jesus Cristo, o filho de Deus. Após esse encontro, minha vida realmente mudou. Entendi a proposta de Jesus para mim; sua vontade de me fazer alguém semelhante a ele. Jesus me deu tantas coisas maravilhosas. Derramou dons e talentos sobre mim. Me confiou pessoas e fez de mim uma pessoa melhor. Hoje (passados dez anos dessa experiência transformadora que tive com Jesus), estou me preparando para o ministério pastoral, lidero os jovens da Igreja Batista Betesda e sou alguém considerado como um exemplo para muitos jovens. Enquanto escrevo este texto, lágrimas escorrem pelo o meu rosto. Não consigo olhar para trás e não me emocionar. Jesus me transformou! Sou uma nova pessoa, graças ao seu sacrifício por mim, na cruz do Calvário. Se você sente-se triste e distante de Deus, quero lhe dizer uma coisa: Jesus quer restaurá-lo agora, enquanto você lê este texto. Basta você pedir com fé. Ele é maravilhoso, bondoso,  carinhoso, inteligente, engraçado, amigo, fiel, humano e cheio de caráter. Ele é aquele que tem guardado a sua vida. Não se engane com o mundo e sua paixões; ele não pode saciar o vazio de seu coração. Entregue-se a Jesus e peça para ele fazer em sua vida, a mesma coisa que ele fez na minha. Ele pode e quer fazer isso. Siga o Cristo crucificado!

quinta-feira, 21 de julho de 2011

TELEVANGELISTAS...ESSA É PRA VOCÊS!



Antigamente, falar do evangelho na televisão era coisa rara, poucos eram os ministros do evangelho que tinham a oportunidade de falar numa rede aberta de televisão. A onda de televangelistas começou na década de 1980 com nomes como Jimmy Swaggart e Jim Bakker. Naquela época havia um propósito em se pregar pela televisão. A ideia era utilizar um veículo de comunicação em massa para atrair a atenção das pessoas a mensagem de Jesus Cristo. Passadas algumas décadas, encontramos dezenas de televangelistas em canais de televisão. Falar de “evangelhos” na TV virou “carne de vaca”. Todos querem ter seu programinha. Todos querem telespectadores. Na verdade os televangelistas de hoje em dia estão mais perdidos que cego em tiroteio. Fico pasmo quando ouço notícias emitidas por esses próprios evangelistas, sobre o quanto de dinheiro eles gastam para manterem seus programas na TV. São milhões e milhões de dólares expedidos por mês. Quando ouço isso, fico imaginando como a obra de Deus poderia se expandir pelo o mundo afora, se essa grana toda fosse investida em pessoas. Quantos missionários preparados poderiam ser enviados aos campos mais distantes dessa terra? Quantas crianças abandonadas seriam apadrinhadas com essa dinheirama toda? Ouvir esses televangelistas falarem de suas despesas exorbitantes, me causa nojo. O problema desses “Show-mans” do evangelho se agrava mais ainda quando observamos o teor de suas mensagens. Só falam de satisfação dos desejos humanos. A mensagem desses homens é carregada de linguagem antropocêntrica; só falam do homem. Esqueceram-se de Deus. O único Deus que eles conhecem é o Deus “fast-food-marketing-deliverin” que existe para servir o homem pecador. Televangelistas, voltem-se para o Evangelho do Reino! Façam isso, se é que vocês já andaram no evangelho algum dia. Parem de passear de helicóptero e comecem a pisar no chão para realmente pregar o evangelho. Não se enganem com os status humanos; rejeitem a “bolha de sabão” que é falar na televisão. Criem vergonha na cara de vocês! Lembrem-se do que Jesus disse: “Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus”. Sigam o Cristo crucificado!

quarta-feira, 20 de julho de 2011

30 CONSELHOS...




30 conselhos para jovens que querem ser usados por Deus nessa geração:

  1.    Afaste-se das más amizades
  2.   Aproxime-se de pessoas que andam com Deus
  3.   Leia a Bíblia todos os dias
  4.   Ore em todo momento
  5.   Crie o hábito de ler bons livros
  6.   Assuma responsabilidades de cuidar de pessoas
  7.   Comece a namorar até que você saiba que é o momento certo
  8.   Ame o seus pastores e os seus líderes
  9.   Obedeça aos seus pais
  10.   Trate as moças como irmãs e os rapazes como a irmãos
  11.   Sacrifique-se pelo o seu ministério
  12.   Não assista a programas inadequados e nem acesse sites sujos
  13.   Fale de Deus a todo tempo
  14.   Faça da igreja a sua segunda casa
  15.   Peça perdão mesmo quando você achar que está certo
  16.   Preste contas da sua vida para alguém
  17.   Seja uma pessoa positiva
  18.   Trate bem as pessoas, mesmo quando elas não forem legais com você
  19.   Tome decisões, não espere que outros decidam por você
  20.   Cumpra a sua palavra
  21.   Nunca pare de estudar
  22.   Alimente seus sonhos
  23.   Fale menos e ouça mais
  24.   Não se leve muito a sério
  25.   Aprenda a chorar diante dos seus amigos
  26.   Fale a verdade sempre
  27.   Faça tudo com amor
  28.   Acredite nas pessoas
  29.   Doe coisas aos outros
  30.   Obedeça a Jesus
Seu Blog · Design por Alves Alvin · Todos os direitos reservados - Copyright © 2014 · Tecnologia do Blogger