sábado, 30 de julho de 2011

NÃO CAIA NA CILADA DE ASSISTIR "CILADA.COM"


Nessa semana eu fui ao cinema com quatro amigos, para assistir “Cilada.com”, filme protagonizado pelo ator e comediante Bruno Mazzeo. A minha expectativa em assistir esse filme era grande. Esperava um filme inteligente e engraçado, baseado no programa “Cilada” exibido na Multishow. O filme não preencheu as minhas expectativas. Não apresentou um bom enredo e muito menos um humor inteligente. Na verdade, “Cilada.com” é uma mistura de Besteirol americano com as velhas pornochanchadas brasileiras. Durante a exibição do filme, dei muitas gargalhadas, mas todas elas foram involuntárias (forçadas pelo instinto humano; como rir de alguém que escorrega e cai no chão). “Cilada.com” é um fiasco cinematográfico dentro dessa nova onda de bons filmes brasileiros. Perder quase duas horas do meu tempo para assistir esse filme, foi como ter caído numa grande cilada. Um filme que se baseia em cenas como a de um personagem gordão excêntrico mostrando a bunda, e de um travesti exibindo o pênis não deve ser prestigiado por ninguém. Não faça igual a mim e os meus quatro amigos: não caia na cilada de assistir “Cilada.com”! Assista o filme dos pingüins do Jim Carey ou então leia um bom livro. Siga o Cristo crucificado!

NÃO SEJA UM CRENTE VACILÃO!


Estou cansado de crentes vacilões. Crentes vacilões são aqueles crentes que não conseguem firmar compromisso com nada. Se há uma vigília, eles não podem ir. Se um desafio é lançado, eles nunca topam. Ficam sempre atrás do pastor e estão sempre distantes de qualquer projeto que suas igrejas locais desenvolvam. Crente vacilão é aquele que foge de suas responsabilidades cristãs. Não leva a bíblia para as reuniões, boceja enquanto o sermão é pregado, frequentemente chega atrasado nas reuniões,  fala mal do pastor, e mesmo após alguns anos de conversão ainda não consegue encontrar o livro de Habacuque na bíblia. Crente vacilão é aquele que não dizima e oferta na sua igreja, falta aos cultos, não participa da ceia do Senhor por estar com relações cortadas com alguém, tem medo de ser delatado por algum demônio numa possessão, tem medo de orar em público, não se alegra com os mais novos, caça pecados na igreja e vive uma vida dupla. A igreja está cheia de crentes vacilões. Ninguém mais os agüenta. Eles só servem para atravancar o crescimento e amadurecimento de qualquer comunidade cristã. Se você costuma praticar mais de duas das atitudes citadas acima, você é um crente vacilão. Jesus Cristo usa qualquer tipo de pessoa; gente simples, analfabeta, pobre, rica, feia, bonita… ele pode usar qualquer um, menos crentes vacilões! Onze dos doze discípulos de Jesus eram fracos, iletrados, invejosos, competitivos, irascíveis e medrosos, mas não eram vacilões. Creio que Jesus os escolheu por causa disso. É como se Jesus tivesse dito: “Ah, eles são tudo isso, mas não são vacilões, servem como instrumentos de transformação do mundo!”. O único vacilão entre os doze discípulos foi Judas Iscariotes. Ele foi tão vacilão, que não conseguiu se arrepender e por isso se matou de remorso. O mundo esta como esta, por causa dos crentes vacilões que não exercem sua autoridade na terra. Jesus conta com uma geração de jovens e adultos que assumam a suas responsabilidades cristãs. Gente que leva a Cruz de Cristo a sério, que ame a sua igreja local e se afaste do pecado. Não seja um crente vacilão! Siga o Cristo crucificado!

AS SEM-RAZÕES DO AMOR


Abaixo a maravilhosa poesia de Carlos Drummond de Andrade:

Eu te amo porque te amo.
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga

Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.

Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.

Amor é primo da morte
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
e cada instante de amor.


terça-feira, 26 de julho de 2011

VALORIZE QUEM ESTA PERTO DE VOCÊ!



Certa vez Jesus disse que um profeta não tem honra em sua própria terra. Jesus disse isso baseado em sua própria trajetória de vida. Os galileus não o aceitaram, chamavam-lhe de Belzebu (o maioral dos demônios). Os evangelhos relatam que até mesmo os gregos queriam ouvi-lo, enquanto os judeus queriam matá-lo. Ele veio para os que eram seus, mas os seus não o receberam... Jesus sofreu na pele a rejeição dos mais próximos. Jesus nos advertiu quanto a isso. Nós, seres humanos, temos a tendência de valorizar sempre aquilo que nos é distante. Segundo o nosso ponto de vista, os pais dos outros são sempre mais legais que os nossos. Os amigos dos outros são mais fieis que os nossos. As outras igrejas são melhores que as nossas. Os pastores das outras igrejas são sempre melhores e mais amorosos que os nossos. A proximidade é o nosso aferidor de valores; quanto mais longe de nós,maior, e quanto mais perto, menor é a representatividade de uma pessoa. Jesus, o filho de Deus, foi um profeta sem honra. Ele mesmo nos alertou sobre essa triste realidade humana. Revelou-se aos homens, mas eles não o receberam, pois estavam olhando apenas para a sua embalagem humana; a sua aparência física, o seu sotaque, a sua ascendência, a sua cultura... Não olharam para o caráter do filho de Deus que estava diante deles. De igual modo aos religiosos da época de Jesus, impomos a desonra dos profetas sobre os mais próximos de nós e também a recebemos dos nossos entes mais queridos. Triste é essa realidade; ser desprezado pelos mais próximos. A comunidade que Jesus deixou aqui na terra (a igreja) foi formada com o propósito de quebrar esse paradigma de desonra aos profetas. Jesus disse que devemos amar uns aos outros. Os primeiros cristãos, na sua grande maioria, honravam os seus líderes mais próximos. O apostolo Paulo quando deu instruções ao seu jovem discípulo Timóteo, enfatizou a importância de valorizar os nossos mentores mais próximos. Ele disse: “Quanto a você, porém, permaneça nas coisas que a prendeu e das quais tem convicção, pois você sabe de quem o aprendeu”. (2° Timóteo 3.14). Precisamos voltar á prática dos primeiros cristãos: valorizar os mais próximos. Pois, o que muda as nossas vidas, não são as pessoas que nos ajudam estando longe de nós, mas sim aquelas que nos auxiliam estando perto. Pense agora nas pessoas que estão próximas de você. Você, devidamente tem valorizado essas pessoas ou vem comparando-as a pessoas distantes e desconhecidas? Você já agradeceu a esses que estão perto de você? Você os admira? As respostas que você der a essas perguntas podem definir o seu crescimento daqui a alguns anos. Valorize as pessoas que estão próximas de você. Fuja da síndrome da desonra aos profetas. Siga o Cristo crucificado!

domingo, 24 de julho de 2011

AMY, O RETRATO DA NOSSA GERAÇÃO



Infelizmente, nesse último sábado (dia 23 de julho) fomos surpreendidos com a triste notícia da morte da jovem e talentosa cantora Amy Winehouse. Com apenas 27 anos de idade, Amy Winehouse conquistou quase todos os grandes prêmios musicais que um artista poderia conquistar. A fatídica morte da jovem Amy, já fora anunciada a muito tempo, através de seu estilo de vida autodestrutivo. Amy Winehouse é o retratado da nossa geração. Viciada em drogas e metida em várias e frequentes confusões, a cantora tornou-se um espelho para toda uma geração de jovens. Amy foi alguém que valorizou muito o talento natural em detrimento da disciplina pessoal. Chegava atrasada em alguns shows e, em outros, subia ao palco, totalmente alcoolizada.A nossa geração tem vivido sob o mesmo prisma existencial em que Amy vivia. Usar algum tipo de droga é status nos dias de hoje, tanto que as recaídas de Amy eram recebidas pelo grande público com muita excitação, como se fossem o exercício de uma grande virtude.  Assim como a bela cantora, nós também não levamos muito a sério o trabalho e nem a disciplina pessoal. Nos contentamos com o talento natural que possuímos,  e buscamos a morte através de um estilo de vida que cultua o risco, acima de qualquer outro valor. Fiquei muito triste, mas nenhum pouco surpreso, ao receber a notícia da morte de Amy Winehouse.  Na verdade ela se encontrava num processo de mortificação existencial á muito tempo, a sua morte definitiva já era esperada pelos seus fãns e pela grande mídia. As atitudes excêntricas e agressivas de Amy, era a sua forma de pedir ajuda. Ela gritou por socorro, mas ninguém a ouviu. A nossa geração, igualmente se encontra dessa forma, envolta num processo de mortificação existencial, gritando na intenção de ser ouvida. Não temos uma causa pela qual viver e muito menos uma causa pela qual morrer. Somos na coletividade o que Amy fora na sua pessoalidade: um símbolo brilhante de talento, porém submetido à inutilidade. Pretendo lutar para que a minha geração não tenha um final como o de Amy Winehouse. Quero assumir um estilo de vida onde a própria vida seja a fonte reguladora de todas as minhas ações. Luto para ser como Jesus Cristo, que morreu jovem, com apenas 33 anos de idade, mas que viveu uma vida comprometida com a disciplina e com o amor. Amy é um espelho para nós. Talvez se olharmos para a sua biografia, nos enxergaremos nela. Buscamos a satisfação de nossos prazeres a qualquer custo, e nesse processo de busca, nos autodestruímos pouco a pouco. Infelizmente, a nossa geração está previamente condenada a um final trágico como o de Amy. A única esperança para a nossa geração, é experimentar a vida que Jesus Cristo oferece. Se Amy Winehouse tivesse experimentado essa vida, ela estaria viva para cantar e nos encantar com o seu timbre diferenciado. Faça de Jesus o seu espelho. Siga o Cristo crucificado!


FOME DE PÃO OU FOME DE JUSTIÇA?



Nessa última sexta-feira, dia 22 de julho de 2011, estive com os jovens da Igreja Batista Betesda, na “Noite do agasalho”, evento realizado com o propósito de auxiliar os mendigos de Piracicaba. Estar com aquelas pessoas foi uma experiência marcante para todos nós. Tivemos a oportunidade de conhecer e conversar com pessoas muito especiais e amorosas. O impacto dessa visita, não decorreu do assistencialismo que fizemos, mas sim do amor que recebemos daqueles homens, moradores de rua. A cada abraço e a cada aperto de mão que recebíamos, podíamos enxergar a pessoa de Jesus Cristo. Jesus estava ali na presença daqueles moradores de rua. Eu senti Jesus no abraço do Genivaldo e no sorriso do seu Antônio. Pude ver o bom humor de Jesus nas “gracinhas” do "Tevez" e nas interpretações teatrais do “Sombra”. Entendi um pouco mais da humanidade de Jesus, através das lágrimas do “Magrão” e do silêncio do Wender. Jesus se encontrava ali, e nós pudemos vê-lo. Que santa ironia; fomos ao encontro desses homens com a intenção de lhes apresentar Jesus Cristo, e no final das contas, eles é que nos apresentaram Jesus, através de suas vidas. No final de nossa visita, fizemos um grande círculo, para concluirmos com uma oração de agradecimento. Antes de orarmos, o “Magrão” pediu a palavra e disse uma frase da qual eu nunca mais me esquecerei. Ele disse:“Deem pão a quem tem fome, e fome de justiça a quem tem pão”. Com o impacto dessa frase, fomos todos embora para o aconchego de nossas casas. O impacto disso, ainda está pulsando no meu coração. Qual deve ser a maior fome do ser humano? Fome de pão ou fome de justiça? A partir de hoje decidi orar a frase do “Magrão”:“Senhor, ajuda-nos a dar pão para quem tem fome, e dê fome de justiça aos nossos corações que comumente só se saciam com pão”. Siga o Cristo crucificado!

sexta-feira, 22 de julho de 2011

EU FUI TRANSFORMADO!



Eu nasci numa família evangélica de tradição batista. Em minha casa todos eram cristãos exceto o meu pai,  e que ainda não se converteu. Desde muito novo aprendi a orar, ler a bíblia e a cantar lindas músicas a Jesus. Quando cheguei na fase da adolescência, algumas coisas começaram a mudar no meu coração. Pouco a pouco comecei a me distanciar de Deus. Já não mais queria ir aos cultos da igreja; a vida com Jesus já não mais me fazia sentido. Lá pelos 15 anos de idade comecei a buscar novas experiências para a minha vida. Essa foi uma tentativa de saciar desejos naturais da adolescência e o vazio da minha alma. Foi nessa busca de novas experiências que comecei a sair para algumas festas, beber e  me envolver com garotas. Comecei a me ferir e a me tornar uma pessoa triste. Ia as festas, mas já não sentia alegria. Bebia e me sentia apenas mais vazio.Não conseguia me olhar no espelho. Caminhava para um processo de lento suicídio. No dia 05 de abril de 2003 fui surpreendido por uma notícia terrível: o meu primo Ezequiel havia sido assassinado. Ver o meu primo num caixão me fez cair na real. Entendi através daquela experiência que existia algo maior por detrás da vida. Quatorze dias depois do velório do meu primo, fui a um acampamento de uma igreja, e lá tive um encontro com aquele que sem o perceber, eu tanto procurava nas festas, bebidas e mulheres: Jesus Cristo, o filho de Deus. Após esse encontro, minha vida realmente mudou. Entendi a proposta de Jesus para mim; sua vontade de me fazer alguém semelhante a ele. Jesus me deu tantas coisas maravilhosas. Derramou dons e talentos sobre mim. Me confiou pessoas e fez de mim uma pessoa melhor. Hoje (passados dez anos dessa experiência transformadora que tive com Jesus), estou me preparando para o ministério pastoral, lidero os jovens da Igreja Batista Betesda e sou alguém considerado como um exemplo para muitos jovens. Enquanto escrevo este texto, lágrimas escorrem pelo o meu rosto. Não consigo olhar para trás e não me emocionar. Jesus me transformou! Sou uma nova pessoa, graças ao seu sacrifício por mim, na cruz do Calvário. Se você sente-se triste e distante de Deus, quero lhe dizer uma coisa: Jesus quer restaurá-lo agora, enquanto você lê este texto. Basta você pedir com fé. Ele é maravilhoso, bondoso,  carinhoso, inteligente, engraçado, amigo, fiel, humano e cheio de caráter. Ele é aquele que tem guardado a sua vida. Não se engane com o mundo e sua paixões; ele não pode saciar o vazio de seu coração. Entregue-se a Jesus e peça para ele fazer em sua vida, a mesma coisa que ele fez na minha. Ele pode e quer fazer isso. Siga o Cristo crucificado!

quinta-feira, 21 de julho de 2011

TELEVANGELISTAS...ESSA É PRA VOCÊS!



Antigamente, falar do evangelho na televisão era coisa rara, poucos eram os ministros do evangelho que tinham a oportunidade de falar numa rede aberta de televisão. A onda de televangelistas começou na década de 1980 com nomes como Jimmy Swaggart e Jim Bakker. Naquela época havia um propósito em se pregar pela televisão. A ideia era utilizar um veículo de comunicação em massa para atrair a atenção das pessoas a mensagem de Jesus Cristo. Passadas algumas décadas, encontramos dezenas de televangelistas em canais de televisão. Falar de “evangelhos” na TV virou “carne de vaca”. Todos querem ter seu programinha. Todos querem telespectadores. Na verdade os televangelistas de hoje em dia estão mais perdidos que cego em tiroteio. Fico pasmo quando ouço notícias emitidas por esses próprios evangelistas, sobre o quanto de dinheiro eles gastam para manterem seus programas na TV. São milhões e milhões de dólares expedidos por mês. Quando ouço isso, fico imaginando como a obra de Deus poderia se expandir pelo o mundo afora, se essa grana toda fosse investida em pessoas. Quantos missionários preparados poderiam ser enviados aos campos mais distantes dessa terra? Quantas crianças abandonadas seriam apadrinhadas com essa dinheirama toda? Ouvir esses televangelistas falarem de suas despesas exorbitantes, me causa nojo. O problema desses “Show-mans” do evangelho se agrava mais ainda quando observamos o teor de suas mensagens. Só falam de satisfação dos desejos humanos. A mensagem desses homens é carregada de linguagem antropocêntrica; só falam do homem. Esqueceram-se de Deus. O único Deus que eles conhecem é o Deus “fast-food-marketing-deliverin” que existe para servir o homem pecador. Televangelistas, voltem-se para o Evangelho do Reino! Façam isso, se é que vocês já andaram no evangelho algum dia. Parem de passear de helicóptero e comecem a pisar no chão para realmente pregar o evangelho. Não se enganem com os status humanos; rejeitem a “bolha de sabão” que é falar na televisão. Criem vergonha na cara de vocês! Lembrem-se do que Jesus disse: “Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus”. Sigam o Cristo crucificado!

quarta-feira, 20 de julho de 2011

30 CONSELHOS...




30 conselhos para jovens que querem ser usados por Deus nessa geração:

  1.    Afaste-se das más amizades
  2.   Aproxime-se de pessoas que andam com Deus
  3.   Leia a Bíblia todos os dias
  4.   Ore em todo momento
  5.   Crie o hábito de ler bons livros
  6.   Assuma responsabilidades de cuidar de pessoas
  7.   Comece a namorar até que você saiba que é o momento certo
  8.   Ame o seus pastores e os seus líderes
  9.   Obedeça aos seus pais
  10.   Trate as moças como irmãs e os rapazes como a irmãos
  11.   Sacrifique-se pelo o seu ministério
  12.   Não assista a programas inadequados e nem acesse sites sujos
  13.   Fale de Deus a todo tempo
  14.   Faça da igreja a sua segunda casa
  15.   Peça perdão mesmo quando você achar que está certo
  16.   Preste contas da sua vida para alguém
  17.   Seja uma pessoa positiva
  18.   Trate bem as pessoas, mesmo quando elas não forem legais com você
  19.   Tome decisões, não espere que outros decidam por você
  20.   Cumpra a sua palavra
  21.   Nunca pare de estudar
  22.   Alimente seus sonhos
  23.   Fale menos e ouça mais
  24.   Não se leve muito a sério
  25.   Aprenda a chorar diante dos seus amigos
  26.   Fale a verdade sempre
  27.   Faça tudo com amor
  28.   Acredite nas pessoas
  29.   Doe coisas aos outros
  30.   Obedeça a Jesus

terça-feira, 19 de julho de 2011

JÁ QUE É PRA BRIGAR, QUE BRIGUE CERTO!

                                  
Hoje eu estava assistindo a um programa da MTV Brasil que exibia vídeo-clips internacionais. Dentre todos os vídeo-clips que assisti, o clip “Next To You”, de Chris Brown e Justin Bieber me chamou a atenção. O clip retrata o fim do mundo. Enquanto Chris Brown dança e Justin Bieber beija uma bela garota, fogo consome carros pelas ruas. Assistir esse clip me fez pensar em muitas coisas. Tentei não fazer comparativos, mas não aguentei, acabei fazendo um bom comparativo do clip com a nossa realidade hoje. A nossa sociedade pode ser resumida no enredo de“Next To You”. Estamos num colapso social sem precedentes. O narco-tráfico cresce e destrói as camadas mais pobres de nossa sociedade, a prostituição infantil se alastra pelas fronteiras de nosso país e as famílias estão desaparecendo a cada dia. Em meio a essas e outras mazelas sócias, ainda há pessoas se preocupando com banalidades. Gente matando e morrendo por causa de futebol, pessoas se divorciando por causa de tampa de privada e alguns outros chorando e se descabelando por não possuírem um novo vestido ou um par de sapatos da moda. Esse é o comparativo que fiz de nossa realidade com o clip de Chris Brwon: pessoas dançando em meio a desgraça. É tragicômico, mas é real. Infelizmente têm muita gente dançando em meio ao caos total. Dançar em meio ao caos, é brigar por coisas que não valem a pena. O nosso dia-a-dia é preenchido por briguinhas que não valem de nada. Enquanto há milhões de crianças morrendo de fome por dia, há outros milhões de pessoas brigando pelo o maior pedaço de bife no jantar. Enquanto há milhões de adolescentes se prostituindo por esse Brasil a fora, ainda há muitas mães espancando suas filhas por estarem elas flertando com algum rapazinho de sua turma na escola. Faça uma analise da sua vida hoje. Quais são as brigas que você tem brigado que não valem a pena? Empenhar grandes esforços por coisas sem valor nos deixa sem energia. Precisamos brigar por grandes coisas. Quais são as grandes brigas das quais você têm fugido? A briga pela continuação do seu casamento? A briga pela libertação de vícios de um grande amigo? A briga pelo acolhimento das crianças abandonadas? Ou a briga por um planeta ecologicamente melhor? Encontramos ânimo para brigar por grandes coisas no nosso mundo, olhando para o Deus-homem Jesus Cristo. Enquanto andou entre nós, Jesus sempre brigou por grandes coisas. Brigou pela aceitação dos marginalizados de sua época. Brigou por uma espiritualidade viva em detrimento de uma religião morta e maçante. Brigou para que as crianças fossem recebidas e tratadas com valor. Brigou para que a acepção de raças fosse quebrada, e por fim, brigou para que fossemos libertos do pecado e para que pudéssemos ter contato direto com Deus através de seu nome. Jesus ao subir aos céus, deixou o segundo round dessas brigas em nossas mãos. Precisamos nos engajar nisso. O primeiro passo é abandonar as banalidades. O segundo passo é exercer coragem e partir para cima de nossos adversários. Não faça como no clip de Justin Bieber e Crhis Brown. Dance na sua casa e com os seus amigos, mas jamais dance em meio a realidade da vida. Hoje, tome a decisão de brigar por grandes coisas. Siga o Cristo crucificado! 

Curta o clip "Next To You":

terça-feira, 12 de julho de 2011

A FESTA DA JÉSSICA E AS LIÇÕES QUE APRENDI




Festas de aniversário são sempre a mesma coisa. Pode ser a festa de uma criança, de um jovem ou de um idoso, sempre será a mesma coisa. Um bolo é feito, velas são colocadas em cima desse bolo e quando a festa está perdendo o seu clima, todos se reúnem em frente do bolo e cantam "parabéns pra você", depois o aniversariante faz um discurso, que na maioria das vezes é acompanhado de lágrimas, e por fim todos vão embora esperando pelo o próximo ano, onde possivelmente farão a mesma coisa. Por incrível que pareça, no último sábado, dia 09 de julho, estive numa festa de aniversário totalmente diferente daquelas que costumo ir. Nessa festa teve bolo, velas, “parabéns pra você” e tudo o que uma boa festa de aniversário tem direito. Mas, uma coisa nessa festa fez com que ela se tornasse diferente e especial. A presença da aniversariante mudou a história dessa festa. A tal aniversariante, era a Jéssica, uma moça que é membro da Igreja Batista Betesda. À aproximadamente seis anos atrás, vi essa mesma moça chegar a igreja. Naquela época ela ainda era uma adolescente de apenas 14 anos de idade. Já nessa festa, Jéssica comemorava seus 20 anos de idade. Essa festa me marcou de modo especial, pois o fato de estar lá me fez lembrar de algumas coisas. Me lembrei de todas as dificuldades que Jéssica passou em sua caminhada com Jesus. Lembrei do fatídico dia em que ela perdeu a sua prima, acometida por um câncer. Me lembrei dos seus problemas e confusões emocionais e também dos dilemas familiares que teve que enfrentar. Na verdade, me lembrei de toda a sua luta para chegar até ali naquele momento, junto com os jovens da igreja. Jéssica é um exemplo de superação. Um exemplo de alguém que achou um tesouro maior e por isso vendeu todas as sua pérolas. Através dessa festa de aniversário, entendi que o segredo da permanência e da perseverança, é estar junto. Como líder de jovens, sempre me pergunto o porquê de alguns jovens começarem sua caminhada cristã tão bem, e depois declinarem, se afastarem e no final de tudo a abandonarem. Creio que a vida da jovem Jéssica é uma resposta ao contrário. A pesar dos pesares, Jéssica sempre esteve cercada de gente da igreja. Estar junto de pessoas de Deus é a resposta para um final feliz na caminhada cristã. Como disse um pastor muito conhecido: “Aprendemos a andar com Deus, andando com pessoas que andam com Deus”. Essa é a formula para se estar em Deus e com Deus. Precisamos estar com gente de Deus. Tome a vida de Jéssica como exemplo e a partir de hoje decida estar junto de pessoas que amam a Jesus. Siga o Cristo crucificado!

sexta-feira, 8 de julho de 2011

UMA GERAÇÃO "FAKE"

Seria difícil para aqueles que nasceram antes de 1990, imaginar, que um dia as redes sociais mais populares e acessíveis da sociedade, estariam na INTERNET. Hoje, a INTERNET possui um conglomerado de redes sociais on-line. Twitter, Facebook, Sonico, Myspace, Linkedin, Flickr, Msn e outras. Nessas redes sociais encontram-se 29 milhões de brasileiros por mês. É difícil encontrar alguém que não seja adepto dessas comunidades virtuais. Elas caíram na graça até mesmo dos mais idosos. Hoje é muito comum ver pessoas se conhecerem e se relacionarem afetivamente através dessas comunidades. As redes sociais da INTERNET, trazem muitos benefícios. Antigamente, para se comunicar com alguém que se encontrasse geograficamente distante, era necessário enviar um e-mail ou lhe fazer uma ligação telefônica a longa distância. Numa rede como o Orkut ou Facebook, você pode encontrar os seus amigos espalhados pelo o mundo e conversar on-line com eles. Outra comodidade que as redes sociais nos proporcionam, é a interação entre anônimos e famosos. Hoje você pode receber informações de pessoas famosas a cada minuto pelo o seu celular, através do Twitter. Juntamente com esses benefícios, há muitos malefícios advidos dessas redes circulando por aí. No dia 8 de junho de 2009, a revista Veja publicou como matéria de capa a reportagem “Sozinhos.com?”. Segundo essa matéria, oito em cada dez brasileiros on-line que freqüentam sites de relacionamentos, sofrem de solidão emocional. As redes sociais estão formando pessoas solitárias e medrosas. Conheço alguns jovens viciados no Twitter e no Facebook, que não conseguem conversar olhando nos olhos. Parecem estar amedrontados e perturbados por alguma coisa, a exemplo daqueles viciados em crack que comumente vemos nas ruas.  A meu ver, as redes sociais on-line, estão contribuindo para a formação de uma geração “Fake” (falsa). Todos os dias quando acesso o meu Facebook ou o meu Twitter, vejo quanta mentira é exposta, como se fosse verdade. Pessoas que “curtem” os status umas das outras apenas por conveniência e "média". Pessoas que nunca leram um livro, expõem uma imagem de intelectualidade através de suas postagens. Frases carregadas de superficialidade são soltas como sendo cheias de profundidade. Há alguns que chegam as raias de fazer chantagens emocionais, não comentando ou “curtindo” o status de pessoas que consideram estar em falta por causa de alguma atitude inadequada. Essa é a geração “Fake”. Todo mundo doente de tristeza, mas exibindo uma imagem de euforia. Todo mundo se odiando, mas falsamente se amando numa arena on-line. Todo mundo com embalagens bonitas, mas sem conteúdos. Não quero fazer parte de uma geração assim! Quero contribuir para a formação de uma geração que irradie vida. Sei que a construção de relacionamentos interpessoais que acontecem longe de um teclado de computador, é o caminho para a formação de uma nova geração. Jesus Cristo nunca condenou as invenções humanas. Qualquer rede social da INTERNET pode ser utilizada como uma ferramenta a serviço do Reino de Deus. Não quero condenar o uso das redes sociais. Eu mesmo sou um “facebookeiro” inveterado. O que eu quero, é pensar de forma autêntica, sobre os desdobramentos que ocorrem numa geração que possui as redes sociais on-line como único caminho para experimentação de relacionamentos interpessoais. Pondere como você tem se portado diante das suas amizades. Você tem se tornado “Fake”, ou tem se tornado alguém como Jesus Cristo? Essa é a hora da mudança! Deixe de ser “Fake”. Seja uma pessoa verdadeira nos seus relacionamentos. Atualize o status da sua vida nas páginas da Bíblia. Faça isso antes que seja tarde. Pois tudo se resume na pergunta do apóstolo Pedro: “Visto que tudo será assim desfeito, que tipo de pessoas é necessário que vocês sejam? (2°Pedro 3.11ª). Sejamos verdadeiros e íntegros, sem mascarás nos nossos relacionamentos. Siga o Cristo crucificado!

quarta-feira, 6 de julho de 2011

A MINHA PRIMEIRA ORAÇÃO


"Senhor meu Deus, me perdoe pelo que tenho feito. Mesmo o Senhor estando comigo, não o reconheço. Perdoe-me pelo que sou. Pelos meus maus pensamentos. Não sou digno de sua presença, nem do teu amor. Por ser mentiroso, hipócrita, traidor, interesseiro e tudo o que não presta. Por me envergonhar de ti e de tua presença, não sou digno nem de dizer: castiga-me! O Senhor tem piedade e misericórdia de mim, porque sou podre, nojento; um verme rastejante. Não sou digno de te pedir perdão; mas o Senhor me perdoa. Não sou digno de te pedir misericórdia; mas o Senhor me ama. Não digno de te pedir socorro; mas o Senhor me guarda. Sou lixo, verme, nojento, podre e imundo, mas na tua presença, sou teu filho. Por isso, não sou digno nem de te agradecer, mas essa é a única coisa que posso fazer. Louvado seja Jesus Cristo!"

Oração feita e registrada por mim, Rodolfo Capler, em 28 de abril de 2003, nove dias após a minha conversão ao Evangelho.


sexta-feira, 1 de julho de 2011

EU ASSUMO: NÃO SEI!



Na última terça-feira estive numa visita a uma jovem senhora acometida por um câncer maligno. Fiquei muito surpreso com o que vi: uma mulher jovial, doce e amante da vida. A cada sorriso que aquela jovem senhora esboçava durante a nossa conversa, minha mente voltava-se para a imagem de Cristo crucificado. Não conseguia pensar em outra coisa senão no sacrifício de Jesus por nós. Muitas perguntas foram feitas ao longo de nossa conversa, mas uma se destacou dentre todas. Aquela senhora jovial, me perguntou: "Por que essas coisas acontecem?" Emudeci durante alguns segundos, e então a respondi: "Infelizmente não sei". Saí daquele encontro refletindo sobre a minha vida e também sobre a minha fé. Descobri que a fé cristã é uma fé pautada no Cristo crucificado e que para viver essa fé de modo transparente é necessário humildade. Humildade para reconhecer que não temos todas as respostas. Humildade para dizer diante de uma mulher esperançosa pela vida, que talvez só lhe reste a esperança como alternativa para a existência. Humildade para engolir a seco, olhares decepcionados em relação a nossa fé. E, humildade para olhar o homem-Deus, Jesus Cristo, pendido numa rude cruz. Através desse encontro, cheguei a uma conclusão que pode ser um conselho. Eis o conselho: Viva uma fé humilde. Não caia na tentação de dar respostas que não existem. Chore com os que choram. Respeite os que questionam. Seja como o Cristo crucificado! O nosso grande problema, é que diante de situações como essas, sustentamos arrogantemente uma posição simplista e triunfalista no que diz respeito a nossa fé. Pensamos muitas vezes, que o fato de não termos respostas para as grandes tragédias da vida, é sinal de uma fé em falta. Aprendi com aquela jovem senhora que verdadeira fé é aquela vivenciada em silêncio. É chegada a hora de assumirmos uma postura de humildade como aquela do Cristo crucificado, que na sua morte, disse: 'Meu Deus, meu Deus, por que me desampareste?'. Siga o Cristo crucificado!
Seu Blog · Design por Alves Alvin · Todos os direitos reservados - Copyright © 2014 · Tecnologia do Blogger